Covid-19 e diabete

Covid-19 e diabete

Claudia Pieper*

29 de março de 2020 | 03h00

Aqui no Brasil existe uma crescente preocupação com os pacientes que têm doenças crônicas como o diabete.  No Brasil atinge mais de 12 milhões de brasileiros e este grupo de pessoas  apresentam um maior risco de complicações com covid-19.  No caso dos  hipertensos este risco  de complicações seria cerca de 6% maior, 7% nas pessoas que tem diabete e cerca de 10,5% com relação aos que também  cursam com insuficiência cardiovascular.  O diabete tipo 2  que é o mais frequente (90% dos casos) e atinge a faixa etária de pessoas com mais de 40 anos sendo que cerca de 19% deste grupo se encontra na faixa etária entre 65 e 74 anos.

É necessário cuidados maiores com este grupo, pois é comum que a pessoa com diabete tipo 2 apresente também de hipertensão arterial e muitas vezes problemas cardíacos. Manter as glicemias controladas, procurando verificar através de testes de glicemia capilar (“ponta de dedo”) ou do sistema flash (glicose intersticial) antes das refeições e/ou sempre que recomendado  pelo médico, é importante.  A SBD  (Sociedade Brasileira de Diabete) recomenda que para atingir um bom controle do diabete, o valor da glicemia antes das refeições principais (pré-prandial) deveria estar até 110 mg/dL e 2 hs após as mesmas, até 160 mg/dL O exame de hemoglobina glicada (média das glicemias nos últimos 3 meses) deveria estar em cerca de 7%(dependendo da idade). Estar bem controlado do diabete significa estar mais saudável e menos vulnerável a doenças agudas, como a virose covid-19.

Os pacientes com diabete tipo 1, que necessitam de insulina para o tratamento desde o diagnóstico, mesmo estando em uma faixa etária mais jovem, não estão livres dos mesmos cuidados e orientações.

Recomenda-se também:

– Isolamento social dentro do possível do trabalho em que a pessoa não seja dispensada;

-Hidratação de forma adequada para o peso e idade, bebendo cerca de 1, 5 a 2 litros de por dia.

-Alimentação saudável , realizando  as refeições de acordo com a orientações da nutrição s e não esquecendo de incluir verduras, legumes e frutas  que são ricas em vitaminas, fibras e sais minerais;

-Caso tenha que sair para fazer compras ou trabalhar, higienização das mãos, punhos e rosto ao chegar em casa com água e sabão;

-Levar álcool em gel para passar nas mãos após ter ido a caixas eletrônicos e bancos;

-Este mesmo procedimento de higienização deve ser tomado com o cuidador se a pessoa for idosa e tiver um acompanhante. É indicado uma proteção de jaleco ou avental para este cuidador também.

*Claudia Pieper, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM)

Tudo o que sabemos sobre:

Artigocoronavírusdiabete

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: