Cotado para assumir cargos no governo, Alberto Fraga é absolvido da acusação de pagamento de propina

O ex-deputado havia sido condenado, em primeira instância, sob acusação de exigir a quantia de R$ 150 mil de propina

Patrik Camporez

13 de março de 2020 | 23h31

Aliado do presidente Jair Bolsonaro e cotado até mesmo para assumir um ministério, o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF) foi absolvido, nesta quinta-feira (12), da acusação de ter usado cargo público para exigir propina de uma cooperativa de transportes.

O crime, segundo a denúncia, teria ocorrido em 2008. Por unanimidade, a 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) julgou procedente a apelação da defesa e absolveu o ex-deputado. O relator do processo, Roberval Belinati, considerou que não havia provas do recebimento de propina. O revisor, Silvânio Barbosa, acompanhou o voto do relator.

O ex-deputado havia sido condenado, em primeira instância, sob acusação de exigir a quantia de R$ 150 mil de propina. A pena que havia sido imposta a ele, após denúncia apresentada pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), era de seis anos e oito meses de prisão, em regime semiaberto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.