Costa cita reunião em hotel no Rio para acertar propina de R$ 10 mi para PSDB

Costa cita reunião em hotel no Rio para acertar propina de R$ 10 mi para PSDB

Em depoimento na Justiça Federal, ex-diretor de Abastecimento da Petorbrás reafirma delação e detalha encontro com senador tucano

Redação

28 Abril 2015 | 21h05

Da esquerda para a direita: Paulo Roberto Costa, Eduardo da Fonte e Sérgio Guerra. Fotos: Estadão e Agência Câmara

Da esquerda para a direita: Paulo Roberto Costa, Eduardo da Fonte e Sérgio Guerra. Fotos: Estadão e Agência Câmara

Por Ricado Brandt, Julia Affonso e Mateus Coutinho

Em depoimento nesta terça-feira, 28, na Justiça Federal em Curitiba, base das investigações da Operação Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa disse que o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) o procurou para tratar de propina envolvendo os rumos de uma CPI que investigava a estatal petrolífera. Primeiro delator do esquema de corrupção desbaratado pela Lava Jato, Costa disse que R$ 10 milhões foram repassados ao então presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra – morto em março de 2014.

“Fui procurado, não me recordo exatamente se foi em 2009 ou 2010, pelo senador Sérgio Guerra, no Rio de Janeiro, junto com o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE)”, relatou Paulo Roberto Costa na audiência em que depôs simultaneamente em cinco ações penais da Lava Jato, todas relativas ao cartel das empreiteiras que teriam assumido o controle de contratos bilionários da estatal.

VEJA PARTE DO INTERROGATÓRIO DE COSTA EM QUE ELE CITA A PROPINA, A PARTIR DO MINUTO 8’50

Costa prosseguiu. “O Eduardo da Fonte me ligou, disse que queria ter uma conversa comigo e marcou uma reunião em um dos hotéis lá da Barra da Tijuca (zona oeste do Rio). Para surpresa minha, eu nunca tinha tido relacionamento nenhum com o Sérgio Guerra, o senador estava lá.”

“Isso resultou, se não me engano, em duas ou três reuniões. O pleito do senador era que se repassasse para ele um valor de R$ 10 milhões para que não ocorresse ou não progredisse ou não tivesse consequências uma CPI da Petrobrás neste período.”

O ex-diretor afirmou que o doleiro Alberto Youssef, personagem central da Lava Jato, não participou do pagamento. A empreiteira Queiroz Galvão teria ficado responsável pelo repasse.

“Depois da terceira reunião, eu fiz um contato com a Queiroz Galvão, e a Queiroz Galvão honrou esse compromisso e foi pago. Não sei qual porcentual que foi para Sérgio Guerra, se teve porcentual para Eduardo da Fonte. Mas foi pago R$ 10 milhões para o senador nesse período”, afirmou o delator.

VEJA A ÍNTEGRA DO INTERROGATÓRIO DO EX-DIRETOR DA PETROBRÁS

Na semana passada, o delator foi condenado pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro oriundos de desvios de recursos públicos na construção da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), no município de Ipojuca, Pernambuco – emblemático empreendimento da estatal petrolífera alvo da Operação Lava Jato.

Paulo Roberto Costa não recebeu perdão judicial, conforme solicitado por sua defesa, e pegou 7 anos de 6 meses de reclusão. Deste total serão descontados os períodos em que ficou preso na PF e em regime domiciliar, que cumpre desde outubro de 2014, com tornozeleira eletrônica.

Quando Paulo Roberto Costa citou pela primeira vez o suposto pagamento de R$ 10 milhões, o PSDB esclareceu que não admite captação ilícita de recursos em suas campanhas. A Queiroz Galvão nega o repasse apontado pelo ex-diretor da Petrobrás.

O deputado Eduardo da Fonte nega envolvimento na transação denunciada por Paulo Roberto Costa.

_________________________________________________

VEJA TAMBÉM:

Em Curitiba, ex-diretor da Petrobrás janta em churrascaria

‘Vou falar uma coisa do fundo do meu coração, o dinheiro não me importava’, afirma Costa

Emissário de Renan ‘me passou a perna’, diz ex-diretor

+ ‘Eu era o dono do orçamento’, afirma Paulo Roberto Costa

Assista trechos da delação premiada de Paulo Roberto Costa em vídeo

_________________________________________________