Corte Especial do STJ decide em setembro se põe no banco dos réus governador do Amazonas por irregularidades na compra de respiradores para vítimas da pandemia

Corte Especial do STJ decide em setembro se põe no banco dos réus governador do Amazonas por irregularidades na compra de respiradores para vítimas da pandemia

Redação

12 de agosto de 2021 | 14h09

wilson-lima-psc-amazonas

O governador do Amazonas, Wilson Lima. Foto: Divulgação/Governo do Estado do Amazonas

​​​A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça marcou data para analisar a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o governador Wilson Lima por irregularidades na compra de respiradores para tratar pacientes infectados pelo novo coronavírus. O colegiado integrado pelos 15 ministros mais antigos da corte vai decidir se coloca o chefe do Executivo do Amazonas no banco dos réus em sessão extraordinária no dia 20 de setembro, com início marcado para as 9h.

A denúncia contra Wilson Lima e outras 16 pessoas, entre elas o vice-governador, Carlos Almeida, foi enviada ao Superior Tribunal de Justiça na véspera do início dos trabalhos da CPI da Covid. A peça de 186 páginas apresenta mensagens, tabelas e notas fiscais como provas para os crimes de peculato, dispensa indevida de licitação e fraude à licitação.

As compras de respiradores foram alvos da Operação Sangria. Um dos contratos investigados envolveu a aquisição de 28 equipamentos pelo Estado de uma importadora de vinhos. A Procuradoria aponta um prejuízo total aos cofres públicos de R$2.198.419,88.

À Wilson Lima foi atribuído o papel de liderança do grupo investigado. Segundo a PGR, ele era responsável pela ‘direção das ações dos integrantes da organização criminosa’, que ‘sempre agiam sob as ordens do governador e no interesse desse’.

“Não apenas tinha pleno conhecimento de todos os atos que vinham sendo praticados em relação à aquisição de respiradores, como interferiu diretamente para que os atos fossem praticados”, diz a denúncia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.