‘Corrupção não diminuiu na Itália’, diz juiz da Mãos Limpas

‘Corrupção não diminuiu na Itália’, diz juiz da Mãos Limpas

Ex-magistrado e promotor Gherardo Colombo que conduziu investigações sobre empresários e políticos afirma que 40% dos envolvidos se livraram de condenações se livraram dos processos por prescrição

Da Redação

24 Outubro 2017 | 10h06

Gherardo Colombo, ex-ministro da suprema corte italiana REUTERS/Daniele La Monaca

O ex-magistrado italiano Gherardo Colombo, que conduziu a Operação Mãos Limpas, afirmou, nesta terça-feira, 24, que a grande investigação – iniciada nos anos 80 – contra empresários e políticos, não resultou na redução da corrupção naquele país. Em 2007, ele renunciou à magistratura porque entendeu que não era possível combater a corrupção por meio da Justiça.

Ex juiz e promotor, Colombo é um dos convidados do Fórum Mãos Limpas & Lava Jato, promovido pelo Estadão e pelo Centro de Debate de Políticas Públicas (CDPP). Ele explica que as investigações chegaram às grandes obras e que os partidos políticos de diferentes espectros dividiam as propinas. “A alíquota de propinas diversificava-se conforme a dificuldade do trabalho, por exemplo: Levar terra com caminhões rendia propinas de 3 % dos contratos. As coisas mais sofisticadas chegavam até 13%, como serviços de informática. O dinheiro era coletado dos níveis mais baixos e chegava até a cúpula e era centralizada em agente político”

“Vivi de 1992 a 2005, pessoalmente, os acontecimentos e investigações que conduzimos em Milão. Foram 13 anos de investigações e processos que envolveram 4 mil pessoas, uma centena de parlamentares, ministros, dirigentes das maiores empresas que atuavam na Itália, magistrados, agentes, muitos envolvidos em um sistema de corrupção”, relata.

O ex-juiz relata que os políticos se beneficiaram de uma mudança de opinião pública quando as investigações pegaram cidadãos comuns. “Houve reações que não foram só da política, mas por parte dos cidadãos que, à medida em que o tempo passava, mudavam a percepção sobre os envolvidos”.

Ele relata que, ao fim das investigações, ‘40% daqueles que foram envolvidos nas investigações, muitos dos quais condenados em primeira ou segunda einstâqncia saíram do processo por prescrição’. “Olhando retrospectivamente hoje, podemos entender que a corrupção na Itália não diminuiu absolutamente”

“Me demiti 14 anos antes da minha aposentadoria, pois acredito que seja absolutamente necessário olhar outra fonte que é importante, que é a frente da educação”, afirma Gherardo Colombo, há dez anos fora do Poder Judiciário italiano.