Corregedoria prende delegada por corrupção e organização criminosa

Sueli Aparecida Neute, da divisão que investiga roubo de cargas, estava foragida desde novembro e foi localizada na Praia Grande

Alexandre Hisayasu

17 de fevereiro de 2017 | 17h00

A Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta sexta-feira, 17, a delegada Sueli Aparecida Neute, acusada de corrupção passiva, extorsão e organização criminosa.

Sueli, alvo da Operação Patranha, trabalhava na divisão policial que investiga roubo de cargas e estava foragida desde novembro. Ela foi localizada no município de Praia Grande, no litoral paulista, por agentes da Corregedoria.

Segundo as investigações do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), braço do Ministério Público em Campinas, a delegada fez parte de um esquema de extorsão contra suspeitos de desvios e roubos de cargas de combustível na região de Paulínia, no interior paulista.

A delegada foi denunciada pelo Ministério Público em outubro de 2016 por corrupção passiva, extorsão e organização criminosa na Operação Patranha. Em novembro, a pedido do Gaeco núcleo Campinas, foi decretada a prisão preventiva de Sueli, juntamente com outros policiais civis do Departamento de Investigações Criminais (Deic) e da Polícia Civil de Paulínia – Wagner Bandeira e João Chaves já estão presos desde o início de outubro.

A delegada havia sido afastada de suas funções desde a apresentação da denúncia criminal. O processo em que ela é acusada tramita na 1.ª Vara de Paulínia.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia CivilMPSPSueli Aparecida Neute

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.