Corregedor cobra explicações de Bretas sobre comentário do caso Neymar no Twitter

Corregedor cobra explicações de Bretas sobre comentário do caso Neymar no Twitter

Ministro Humberto Martins considera que pode ter ocorrido violação dos deveres impostos à toga por parte do magistrado da Lava Jato no Rio que tuitou 'nem sempre a vítima é a parte mais fraca da relação'

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

07 de junho de 2019 | 20h01

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, encaminhou, na tarde desta sexta, 7, ofício ao juiz federal Marcelo Bretas, da Lava Jato no Rio, solicitando informações sobre tuíte que ele postou sobre o caso Neymar.

As informações foram divulgadas pela Corregedoria Nacional de Justiça. Bretas, titular da 7.ª Vara Federal do Rio, não citou o nome da modelo Nájila Trindade, que acusa Neymar de estupro. O juiz escreveu em sua página: ‘Nem sempre a vítima é a parte mais fraca da relação’.

Juiz Marcelo Bretas. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Postou ainda. “Preocupante! Suspeitas de fraude ou abuso de direito pela parte ‘mais vulnerável’ devem ser apuradas com rigor, sob pena de deslegitimar as demais sistuações de efetiva vulnerabilidade.’

“A conduta do juiz federal pode caracterizar, em tese, conduta que viola os deveres impostos aos magistrados, conforme exposto no artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura (Loman), VIII e artigos 3.º e 4.º do Provimento 71/2018, da Corregedoria Nacional de Justiça”, destacou o ministro Humberto Martins.

Bretas tem cinco dias para prestar as informações à Corregedoria Nacional de Justiça.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.