Coronel Lima também fica em silêncio

Coronel Lima também fica em silêncio

Militar reformado da Polícia Militar de São Paulo, velho amigo de Temer, seguiu a mesma estratégia do ex-presidente e não depôs à Polícia Federal nesta sexta, 22, sob argumento de que não teve acesso à íntegra dos autos que o põem sob suspeita de integrar organização criminosa

Luiz Vassallo/SÃO PAULO e Roberta Jansen/RIO

22 de março de 2019 | 17h09

Coronel Lima. Foto: Reprodução

O coronel reformado da PM de São Paulo João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, seguiu a estratégia de defesa de Michel Temer, seu velho amigo de mais de 40 anos, e ficou em silêncio nesta sexta, 22, na Polícia Federal no Rio.

Coronel Lima preferiu se manter calado no depoimento que prestaria no inquérito da Operação Descontaminação – desdobramento da Lava Jato que atribui a Temer o papel de líder de organização criminosa.

Por meio de sua defesa, o militar disse que se reservava ao direito de permanecer em silêncio até que tenha acesso à íntegra dos autos.

Coronel Lima está preso em uma unidade da Polícia Militar de Niterói, no Rio.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA MAURÍCIO SILVA LEITE, DEFENSOR DO CORONEL LIMA

Em nota, o criminalista Maurício Silva Leite, doutor em Direito pela USP, informou que não foi prestado depoimento na data de hoje (22/03), uma vez que ainda não foi obtido o necessário acesso à integralidade das investigações.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.