No grampo da PF, Milton Ribeiro diz à filha que recebeu ligação de Bolsonaro: ‘Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão em casa’; ouça

Ex-ministro da Educação foi alvo da Operação Acesso Pago, que investiga o gabinete paralelo de pastores no MEC; Procuradoria da República no Distrito Federal acusou ‘possível interferência’ do presidente

Fausto Macedo, Rayssa Motta, Pepita Ortega e Julia Affonso

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Milton Ribeiro deixou o governo em março, pressionado pelo escândalo do gabinete paralelo de pastores no MEC. Foto: Alan Santos/PR

O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que foi alertado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre a possibilidade da Polícia Federal (PF) abrir buscas contra ele no inquérito sobre o gabinete paralelo de pastores no Ministério da Educação (MEC).

Leia toda a transcrição

Ouça a conversa:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão em casa”, relata o ex-ministro em ligação com a filha no último dia 9. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na quarta-feira, 22, na Operação Acesso Pago, que chegou a prender Milton Ribeiro e os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura. Eles foram liberados após conseguirem habeas corpus para aguardar as investigações em liberdade.

O Estadão teve acesso à conversa interceptada pela Polícia Federal. O ex-ministro afirma ter sido procurado por Bolsonaro. “Hoje o presidente me ligou… Ele tá com um pressentimento novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe?”, conta.

A filha do ex-ministro, identificada pela PF como Juliana Pinheiro Ribeiro de Azevedo, chega a perguntar se Bolsonaro pediu ao pai para parar de mandar mensagens. “Eu não sei se ele (Bolsonaro) tem alguma informação. Eu estou ligando do meu celular normal, viu pai?”, diz.

“Ah é? Ah, então depois a gente se fala”, responde Milton Ribeiro. A resposta chamou atenção dos investigadores, que desconfiam que o ex-ministro pudesse saber que estava sendo grampeado.

O inquérito, que havia sido transferido para a Justiça Federal em Brasília depois que Milton Ribeiro deixou o cargo em março e perdeu o foro privilegiado, foi enviado de volta ao Supremo Tribunal Federal (STF) diante das suspeitas de interferência de Bolsonaro. A decisão atende um pedido do Ministério Público Federal (MPF). O órgão disse ver indícios de vazamento da operação policial e pediu investigação para saber se houve violação de sigilo e favorecimento pessoal.

O delegado federal Bruno Calandrini, responsável pela investigação, também disse que não tem “autonomia investigativa e administrativa” para conduzir o inquérito com “independência e segurança institucional”. Em mensagem enviada a colegas, ele afirmou que a investigação foi “prejudicada” pelo “tratamento diferenciado concedido pela PF” a Milton Ribeiro na operação.

Milton Ribeiro deixou o governo em março, pressionado pelo escândalo do gabinete paralelo de pastores no MEC. Foto: Alan Santos/PR

O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que foi alertado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre a possibilidade da Polícia Federal (PF) abrir buscas contra ele no inquérito sobre o gabinete paralelo de pastores no Ministério da Educação (MEC).

Leia toda a transcrição

Ouça a conversa:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão em casa”, relata o ex-ministro em ligação com a filha no último dia 9. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na quarta-feira, 22, na Operação Acesso Pago, que chegou a prender Milton Ribeiro e os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura. Eles foram liberados após conseguirem habeas corpus para aguardar as investigações em liberdade.

O Estadão teve acesso à conversa interceptada pela Polícia Federal. O ex-ministro afirma ter sido procurado por Bolsonaro. “Hoje o presidente me ligou… Ele tá com um pressentimento novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe?”, conta.

A filha do ex-ministro, identificada pela PF como Juliana Pinheiro Ribeiro de Azevedo, chega a perguntar se Bolsonaro pediu ao pai para parar de mandar mensagens. “Eu não sei se ele (Bolsonaro) tem alguma informação. Eu estou ligando do meu celular normal, viu pai?”, diz.

“Ah é? Ah, então depois a gente se fala”, responde Milton Ribeiro. A resposta chamou atenção dos investigadores, que desconfiam que o ex-ministro pudesse saber que estava sendo grampeado.

O inquérito, que havia sido transferido para a Justiça Federal em Brasília depois que Milton Ribeiro deixou o cargo em março e perdeu o foro privilegiado, foi enviado de volta ao Supremo Tribunal Federal (STF) diante das suspeitas de interferência de Bolsonaro. A decisão atende um pedido do Ministério Público Federal (MPF). O órgão disse ver indícios de vazamento da operação policial e pediu investigação para saber se houve violação de sigilo e favorecimento pessoal.

O delegado federal Bruno Calandrini, responsável pela investigação, também disse que não tem “autonomia investigativa e administrativa” para conduzir o inquérito com “independência e segurança institucional”. Em mensagem enviada a colegas, ele afirmou que a investigação foi “prejudicada” pelo “tratamento diferenciado concedido pela PF” a Milton Ribeiro na operação.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato