Consórcio Rodoanel contratou WTorre ‘para compensar’ licitação da Petrobrás, diz engenheiro

Consórcio Rodoanel contratou WTorre ‘para compensar’ licitação da Petrobrás, diz engenheiro

Fraude em concorrência de obra no Rio pode ter gerado irregularidade em empreendimento em São Paulo

Julia Affonso e Ricardo Brandt

20 de junho de 2017 | 05h30

Rodoanel Sul-Lote 5. Foto: Site OAS

O engenheiro Olímpio Eugênio Fernandes Silva, ligado à empreiteira Carioca Engenharia, relatou ao Ministério Público Federal que a empresa WTorre foi contratada pelo consórcio Rodoanel Sul 5, em São Paulo, ‘para compensar’ uma licitação da Petrobrás. Segundo Olímpio Silva em depoimento na Operação Lava Jato, a WTorre recebeu R$ 18 milhões para deixar a concorrência das obras do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), no Rio.

Documento

Documento

A obra viária do trecho sul do Rodoanel, localizado entre a rodovia Régis Bittencourt e o município de Mauá, foi dividida em cinco lotes. A gestão do Rodoanel é feita pela Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), concessionária de serviço público do governo de São Paulo.

Olímpio Silva foi contratado da Carioca Engenharia de maio de 2007 a abril 2011. O consórcio formado pela OAS, empresa líder, pela Mendes Junior e pela Carioca Engenharia, relatou o engenheiro, foi criado ‘com o fim exclusivo de realizar as obras necessárias ao empreendimento conhecido como Rodoanel, especificamente em seu Lote 5’.

+ Moro libera provas da Lava Jato sobre Rodoanel para Promotoria paulista

Tribunal julga irregular concessão de R$ 21 bilhões do Rodoanel para consórcio citado na Lava Jato

Sorteio no “papelzinho” definiu vencedores de lotes no Rodoanel, diz delator

De acordo com o engenheiro, durante uma das reuniões periódicas do consórcio, o representante da OAS, Carlos Henrique Barbosa Lemos, comunicou que havia sido determinada a contratação da empresa WTorre para a execução de serviços de terraplanagem. O representante da OAS, segundo Olímpio Silva, informou que a determinação ‘havia sido dada de forma conjunta pelos acionistas de cada uma das sócias’ do consórcio.

“Diante disso, tal empresa foi contratada, tendo ela mobilizado equipamento e pessoal; que a determinação dada era no sentido de que, mesmo se a WTorre não tivesse realizado a integralidade do serviço de terraplanagem lhe eram pagos valores como se ela os tivesse realizado; que essa contratação durou até quando foi atingido o valor, aproximado, de R$ 18 milhões, segundo se recorda”, contou.

Olímpio Silva declarou que o valor ‘era resultado de um acerto entre as sócias da empresa Rodoanel Sul 5 com a WTorre, para compensar a saída dessa última da licitação referente ao Novo Cenpes da Petrobrás’. O engenheiro disse que ‘jamais’ conversou sobre o assunto ‘com qualquer pessoa da WTorre’.

No fim de abril, o ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, entregou à Justiça o contrato celebrado entre a Rodoanel Sul 5 Engenharia e a WTorre. O acordo foi celebrado em 1 de setembro de 2007. Um do signatários do contrato é Olímpio Silva.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, o engenheiro ‘recentemente, manifestou interesse em aderir ao acordo de leniência firmado pela empreiteira com o Ministério Público Federal’.

Cenpes. A construção do moderno centro de pesquisas já é alvo de investigação da Operação Lava Jato. A força-tarefa acusa 14 investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Para que o negócio fosse fechado, apontou a Procuradoria da República, no Paraná, executivos do Consórcio Novo Cenpes (OAS, Carioca Engenharia, Schahin, Construbras e Construcap) pagaram mais de R$ 20 milhões em propinas para funcionários do alto escalão da Petrobrás e para o PT, que dava sustentação política a funcionários corrompidos da estatal.

Durante a investigação sobre o centro de pesquisas da Petrobrás, a força-tarefa identificou que o Novo Cenpes ajustou uma propina de R$ 18 milhões para que a WTorre saísse do certame. Desta forma, o Consórcio poderia renegociar o preço da licitação com a Petrobrás.

Entre os 14 acusados na ação penal estão o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque, o executivo Léo Pinheiro. Na quarta-feira, 21, às 14h, Renato Duque será interrogado no processo.

COM A PALAVRA, A WTORRE

O Grupo WTorre informa que já prestou os devidos esclarecimentos às autoridades competentes.

Tudo o que sabemos sobre:

Rodoaneloperação Lava Jato

Tendências: