Conselho prorroga força-tarefa da Lava Jato por mais um ano

Equipe de 11 procuradores da República continuará até setembro de 2016 a maior investigação sobre corrupção no País

Redação

04 de setembro de 2015 | 16h05

Por Mateus Coutinho e Julia Affonso

sedepgr

A sede da Procuradoria-Geral da República

O Conselho Superior do Ministério Público Federal prorrogou por mais um ano a atuação da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná. Com isso, a equipe de 11 procuradores da República continuará até pelo menos setembro do ano que vem os trabalhos da maior investigação já conduzida pelo MPF.

A Lava Jato teve início em 2009 e mirava em um grupo de doleiros por lavagem de dinheiro. A fase ostensiva da investigação veio em março de 2014, quando se descobriu uma organização criminosa infiltrada em unidades estratégicas da Petrobrás.

A força-tarefa revelou um enorme esquema de cartel e corrupção na estatal e também em outros órgãos públicos federais. As 30 denúncias já oferecidas pelos procuradores resultaram em mais de 225 anos de condenação para ex-diretores da Petrobrás, os principais empreiteiros do País, doleiros e lobistas.

A decisão do Conselho do Ministério Público Federal, presidido pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, foi tomada na terça-feira, 1, e referenda a prorrogação para os procuradores regionais da República Antônio Carlos Welter, Januário Paludo, Carlos Fernando Lima e Orlando Martello, que não são locados originalmente no Paraná, a permaneceram na força-tarefa em Curitiba por mais um ano.

Os integrantes do Conselho também decidiram pela designação dos procuradores Júlio Noronha e Laura Tessler, ambos da Procuradoria da República no Paraná (PR/PR), para atuarem na equipe que investiga o esquema de corrupção na Petrobrás.

Essa já é a terceira prorrogação das atividades da força-tarefa da Lava Jato pelo Conselho do Ministério Público Federal.

Tudo o que sabemos sobre:

MPFoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.