Conselho pede sindicância sobre manifestação de professor de Direito da USP que defendeu a ditadura

Lilian Venturini

07 de abril de 2014 | 19h32

Colegiado, reunido nesta segunda feira, recomendou à Diretoria da Faculdade de Direito da USP abertura de sindicância sobre conduta do professor Eduardo Gualazzi


Fausto Macedo

O Conselho de Direito do Estado decidiu, por unanimidade, nesta segunda feira, 7, repudiar a manifestação do professor Eduardo Gualazzi, da Faculdade de Direito da USP, que no dia 31 de março defendeu a ditadura ao falar sobre o tema “Continência a 1964”.

Por iniciativa do Chefe de Departamento, Alexandre de Moraes, ex-secretário da Justiça do Estado de São Paulo, o Conselho recomendou, ainda, à Diretoria da Faculdade que instaure sindicância para “apurar os fatos ocorridos naquela data”.

Alexandre de Moraes advertiu: “Como professores de Direito Público temos por dever a defesa da Constituição e dos direitos fundamentais, conquista histórica do processo de redemocratização brasileira; e que a apresentação de ideias em sala de aula não pode nem deve ser feita em termos de proselitismo ou propaganda.”

 

 

Mais conteúdo sobre:

Eduardo Gualazzi;