Conselho de Medicina investiga vazamento de exames de mulher de Lula

Conselho de Medicina investiga vazamento de exames de mulher de Lula

Imagens da tomografia à qual Marisa Letícia foi submetida quando sofreu um AVC na terça-feira, 24, circulam nas redes sociais

Ricardo Galhardo

26 de janeiro de 2017 | 20h37

(FILES) This file photo taken on October 02, 2016 shows the wife of Brazilian former president Luiz Inacio Lula da Silva, Marisa Leticia, at a polling station during the municipal elections' first round in Sao Bernardo do Campo, 25 km south of Sao Paulo, Brazil, on October 2, 2016. Marisa Leticia suffered a brain hemorrhage on January 24, 2017 and was hospitalized in Sao Paulo. / AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA

A ex-primeira-dama Marisa Letícia. / AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) instaurou uma sindicância para apurar o vazamento de imagens dos exames da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, internada desde terça-feira por causa de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). O hospital Assunção, em São Bernardo do Campo, também instaurou sindicância e afastou profissionais envolvidos no atendimento a Marisa Letícia.

Fotos e imagens em vídeo dos exames da ex-primeira-dama circulam desde o dia da internação nas redes sociais. Segundo fontes médicas, as imagens correspondem às da tomografia à qual Marisa foi submetida no hospital Assunção, em São Bernardo do Campo, onde recebeu o primeiro atendimento antes de ser transferida para o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde continua internada.

O Sírio divulgou uma nota no início da noite de ontem na qual afirma que as imagens não saíram do hospital. “A instituição zela pela privacidade de seus pacientes e repudia a quebra de sigilo médico por qualquer profissional de saúde”, diz a nota.

O hospital Assunção, também por meio de nota, afirmou que repudia o vazamento e também tomou providências. “O hospital esclarece que tão logo tomou conhecimento do evento, imediatamente instaurou sindicância interna para apuração dos fatos, tendo suspendido e afastado os envolvidos na investigação até a sua conclusão”, diz a nota.

Segundo o Cremesp, um dos objetivos da sindicância é averiguar se houve participação de médicos no vazamento. “A apuração pode apontar se a divulgação de dados clínicos teve a participação de médicos ou se era do conhecimento da diretoria técnica ou clínica da instituição. De acordo com o Código de Ética Médica, é vedado ao médico ‘permitir o manuseio e ‘o conhecimento dos prontuários por pessoas não obrigadas ao sigilo profissional quando sob sua responsabilidade’. Também não é permitido “liberar cópias do prontuário sob sua guarda, salvo quando autorizado, por escrito, pelo paciente, para atender ordem judicial ou para a sua própria defesa”’ esta última em situação de sindicância ou processo ético-profissional”, diz o Cremesp.

Segundo médicos do Sírio, a situação de Marisa Letícia ainda é grave mas continua estável desde a madrugada de terça-feira. Depois de passar por uma cirurgia para estancar a hemorragia no cérebro causada pelo rompimento de um aneurisma diagnosticado há mais de 10 anos, a ex-primeira-dama foi submetida a um segundo procedimento que consiste na utilização de um catéter para reduzir a pressão intracraniana.

Desde então Marisa Letícia está em coma induzido. Os sedativos serão mantidos pelo menos até sábado, segundo fontes médicas.

Tendências: