Como Vaccari, Duque também silencia na Justiça

Como Vaccari, Duque também silencia na Justiça

Ex-diretor de Serviços da Petrobrás segue estratégia do ex-tesoureiro do PT e se cala diante do juiz da Lava Jato

Redação

17 de julho de 2015 | 20h37

Renato Duque levado à sede da PF no Rio, em novembro do ano passado - Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo

Renato Duque levado à sede da PF no Rio, em novembro do ano passado – Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

Durou um minuto e dezoito segundos a audiência do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque na Justiça Federal do Paraná, base da Operação Lava Jato. Nesta sexta-feira, 17, Duque ficou frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, que decretou sua prisão em 16 de março. Moro conduz as ações sobre esquema de propinas na estatal petrolífera. Dizendo seguir orientação de seus advogados, o ex-diretor ficou em silêncio.

A mesma estratégia havia sido adotada na audiência por outro acusado, João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, que se calou diante de Moro.

Duque estaria estudando delação premiada, segundo investigadores da Lava Jato. Consultado, seu advogado, o criminalista Alexandre Lopes, disse que ‘não é impossível’ o ex-diretor da Petrobrás fazer delação premiada.

O advogado chamou a atenção para o ‘estado psicológico’ do acusado – muitos outros investigados da Lava Jato, inclusive seu ex-braço-direito na Petrobrás, Pedro Barusco (ex-gerente de Engenharia), fizeram delação e estão em liberdade. Ele está preso há quatro meses.

Antes do início da audiência desta sexta-feira, 17, Duque pediu uma ‘reunião reservada’ com Moro. “Por orientação dos meus advogados eu vou permanecer calado”, disse Duque logo na abertura da audiência, embora Moro tenha ponderado que aquela era uma oportunidade que ele tinha de falar diretamente para o juiz que vai julgar o processo.

Apontado como cota do PT na Petrobrás, Duque é formalmente acusado pelo Ministério Público Federal pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção.

“Por orientação dos meus advogados vou permanecer calado e não vou responder nenhuma pergunta”, reiterou Duque.

Sérgio Moro declarou encerrado o depoimento.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoRenato Duque

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.