Como ser reconhecido por um headhunter

Como ser reconhecido por um headhunter

Efigenia Vieira*

14 de março de 2020 | 04h00

Efigênia Vieira. FOTO: ADRIANA PORTO

Os headhunters estão buscando talentos no mercado o tempo todo, mas obter a atenção deles não é uma tarefa simples. Confira a seguir algumas experiências que adquiri com esta missão. Ressalto, que nem sempre a atenção inicial estará no seu material curricular, mas mesmo assim saiba que a porta de entrada para qualquer processo seletivo e a boa evolução de um candidato durante esta dinâmica começa com este material cuidadosamente elaborado.

O trabalho comercial de um headhunter é voltado às empresas e nunca ao profissional. O seu propósito e missão consistem em encontrar soluções e prosperidade para as organizações, clientes e profissionais envolvidos no processo. Para tanto, possui um grande networking e a experiência necessária para encontrar os profissionais mais qualificados e aderentes aos objetivos de seus clientes.

Mesmo sem a existência de um vínculo financeiro entre candidatos e headhunters, isso não quer dizer que o profissional em busca de novas oportunidades, não possa agir de maneira proativa para se aproximar e criar um vínculo com esta figura inicialmente emblemática.

Existem dois tipos de ações distintas dos headhunters: a realização de entrevistas proativas e a promoção de entrevistas para projetos específicos. A primeira é uma maneira de fazer com que o headhunter se mantenha constantemente na pesquisa por novos profissionais independente da existência de vagas abertas.

Com o foco no preenchimento de cargos e áreas de grande demanda, esse tipo de atuação é promissor, pois assim que surgirem novas oportunidades e projetos, o recrutador já contará com o conhecimento de possíveis candidatos selecionados. Esta ação proativa proporciona mais velocidade e assertividade ao processo de seleção. Já a segunda prática, é realizada para atender demandas específicas e facilitar o encontro e análise de profissionais que estejam dentro do perfil requerido.

Como nem sempre é possível identificar o foco de cada headhunter, é aconselhável que os candidatos se atenham a três recomendações: avalie se existe alguma vaga dentro do seu perfil no site da empresa de desejo; faça o cadastro de seu currículo devidamente atualizado; e por fim, verifique quem é o headhunter responsável pelo recrutamento e envie um e-mail para o mesmo.

Uma dica importante é não enviar e-mails para qualquer pessoa, ou para todos os consultores de uma mesma empresa, afinal, a personalização é um fator importante nessa hora. Seja gentil e objetivo em sua mensagem.

Esta é uma excelente abordagem, porque mostra que você respeitou o processo da empresa, cadastrando o seu currículo em um projeto para o qual de fato possui os pré-requisitos. Além disso, demonstra que você possui objetividade – um dos elementos comuns a executivos de alta performance.

Um dos maiores problemas em consultorias é o recebimento de centenas de currículos, que muitas vezes, não apresentam o mínimo de esmero, ou, em casos mais críticos, nenhuma aderência às exigências atuais de mercado.

Neste sentido, é importante que você conheça as soft skills. Para chamar a atenção dos headhunters, siga alguns passos.

Fique atento a página do seu LinkedIn. Algumas vagas são preenchidas por candidatos mapeados na rede social. Isso significa que você deve se concentrar nas mensagens recebidas e manter o seu perfil sempre atualizado, com informações relevantes e objetivas. Além disso, é essencial ter em mente as palavras-chave que o headhunter digitará quando procurar alguém para determinada vaga.

Não se esqueça de sustentar com dados o quão bom você é nas principais competências exigidas nos cargos em que passou. Seja detalhista com o que pode destacá-lo, e bastante objetivo no que se refere às informações que podem ser passadas de forma rápida, como: segmento, produtos, público-alvo. Principalmente, os cargos ocupados e datas, são elementos importantíssimos.

Cadastre o seu currículo nas principais consultorias. Mapeie as consultorias mais relevantes para o que você busca, tanto em termos de confiabilidade e caráter do líder, tempo de mercado, perfis de vagas e porte das empresas atendidas. Não caia em marketing vazio e em consultorias que apareceram no mercado subitamente. Este tipo de atuação demanda crescimento orgânico, maturidade e originalidade.

Que tal um café de ideias com um headhunter? Você cadastrou o seu material curricular no site da consultoria ou foi indicado por meio do networking? A “boa maré” depende de sua rede de contatos. Este tipo de interação pode surtir mais efeitos do que o esperado!

Para esta ocasião, prepare-se com antecedência. Chegar em uma entrevista totalmente despreparado é o pior erro que um futuro candidato pode cometer, portanto, seja direto e claro. Tenha atenção quanto aos dados que demonstrem as suas competências, e não seja prolixo com a repetição do conteúdo presente no currículo. Na maioria das empresas, os headhunters são executivos de mercado, muito perspicazes e preparados, que buscam entender o quão bem você se sai em situações que fujam ao contexto profissional, e em relação ao mercado e cargo que ocupa ou ocupou.

Nem todos os bons headhunters possuem a formação em psicologia e afins. Estes em geral, somente irão aplicar alguns inventários atuais para uma leitura comportamental e complementar as suas análises após as entrevistas.

Promova uma conversa natural e leve, sempre demonstrando disposição, atenção e envolvimento com o que está sendo tratado. Encare o momento como algo de muito valor.

Será que a primeira impressão é realmente a que fica? É o principal fator de sucesso? Seja sempre verdadeiro, pois novas entrevistas poderão ocorrer. Na etapa final, as avaliações positivas de sua inteligência emocional, por exemplo, e os resultados apresentados por um programa de assessment, podem trazer surpresas agradáveis, caso você esteja realmente cuidando e zelando por sua carreira.

Veja! A “caixa-preta” do headhunter não é tão preta assim. Siga em frente! O mercado está lhe aguardando!

*Efigenia Vieira, CEO da Upside Group

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

Artigocarreiras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.