Como Seattle pode nos ensinar a resolver problemas

Como Seattle pode nos ensinar a resolver problemas

Cassio Grinberg*

20 de setembro de 2019 | 06h00

Cassio Grinberg. FOTO: DIVULGAÇÃO

Costumo empreender, junto a alguns clientes, a curadoria de roteiros a ecossistemas de inovação pelo mundo. Chegando nesses locais, contextualizo a palestra sobre meu livro Desaprenda (Editora Belas Letras, 2019) às características econômicas, culturais e empresariais de cada um desses ecossistemas, somando a ela a geração de experiências e a visita a cases que de fato têm a nos ensinar. Em 2020, além do Vale do Silício, iremos a Israel (onde já estivemos neste ano) e também a Seattle.

Trata-se, com relação a Seattle, de uma região que rapidamente está se tornando um dois principais centros mundiais de inovação. Berço de empresas como Amazon, Expedia, Boeing, Starbucks e Microsoft (e de bandas como Nirvana e Pearl Jam), recentemente as 7 maiores marcas do setor de tecnologia de lá se uniram à prefeitura da cidade para criar maneiras práticas de resolver “problemas de verdade”.

Como bem defendem empresários como Bill Gates (Microsoft), Richard Branson (Virgin), Yvon Chouinard (Patagonia) e, para não deixar de dar um exemplo nosso, Rony Meisler (Reserva) — conta cada vez menos o produto em si, e cada vez mais o propósito, a razão, o why: por que realmente fazemos o que fazemos. Atentas a este mindset, essas 7 grandes empresas da cena tech de Seattle lançaram iniciativas como essas três:

  1. Portal da Acessibilidade Financeira (Affordability Portal): criado com a ajuda de 30 colaboradores da Expedia, conecta cidadãos de baixa renda com produtos e serviços essenciais, disponibilizados por fornecedores e de fato possíveis de serem adquiridos.
  2. App da Moradia Possível (Affordable Housing Search App): criado pela plataforma Zillow (espécie de search engine + market place de real estate), o app conectará (a partir da comunicação com abrigos) pessoas de baixa renda e sem moradia a ofertas de aluguel e até de compra de imóveis financiados de baixo valor. Aquecendo o próprio mercado imobiliário.
  3. Portal da Oportunidade aos Jovens (Youth Opportunity Portal): criado por Microsoft e Facebook, permite que jovens de Seattle entre as idades de 12 a 24 anos tenham chance de acessar todas possibilidades de emprego e desenvolvimento através de uma application única, que transitará em bases de oportunidades voltadas exclusivamente a este nicho.

Tais iniciativas, que, além da prefeitura, têm como parceiros secretarias de desenvolvimento e instituições voltadas ao terceiro setor, nos ensinam como é possível à soma setor público-privado fazer a real diferença. A nossos meritórios programas de união entre empresas e universidades, fica o ensinamento da importância de se traçar objetivos claros e planos de ação rápidos, na medida em que o que menos faltam são problemas de verdade para resolver.

*Cassio Grinberg, sócio da Grinberg Consulting

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.