Como lidar com as emoções e com o medo de sair de casa pós-pandemia

Como lidar com as emoções e com o medo de sair de casa pós-pandemia

Patrícia Santos*

29 de julho de 2020 | 04h00

Patrícia Santos. FOTO: DIVULGAÇÃO

Fazer compras em lojas, ir ao cinema, ao trabalho ou a lugares públicos eram atividades que adorávamos desfrutar antes da pandemia. Mas, após tanto tempo em distanciamento, isolamento social e quarentena, para muitos esses eventos se tornaram um verdadeiro pesadelo. Usar o transporte público com muita gente, participar de reuniões presenciais de trabalho, atividades que sempre foram tão comuns, agora deixam as pessoas preocupadas ou estressadas, antes mesmo de se considerar o risco de infecção.

Tudo isso pode ser resumido à ansiedade pós-confinamento, ou seja, aquele medo ou preocupação de retomar o que antes era considerada uma vida normal ou o chamado FOGO – Fear Of the Going Out – o medo de sair. O resultado é uma nova onda de medo e ansiedade, ocasionada pela simples possibilidade de ter que sair de casa. E é mais comum do que imaginamos. Após tantos dias vivendo uma nova realidade, ganhamos a terrível sensação de que o único lugar seguro no mundo é o nosso lar e pode realmente parecer muito estranho sair. E o perigo mora na perda da confiança das coisas que não fazemos há muito tempo.

Uma pesquisa realizada na Inglaterra mostrou que, após a flexibilização da quarentena e a diminuição das restrições diante da Covid-19, mais de 60% dos britânicos se sentem desconfortáveis com a perspectiva de voltar a frequentar bares e restaurantes, usar transporte público ou ir a um grande encontro, como um evento esportivo. A pesquisa apontou inclusive, o medo até de enviar seus filhos para a escola. Ainda segundo o estudo, mais de 30% dos entrevistados disseram que estão preocupados em ter que voltar ao trabalho ou encontrar amigos.

O mundo já presenciou outras pandemias e, aquelas que tiveram a necessidade de confinamento registraram picos quase universais de ansiedade, depressão e raiva. As pessoas apresentaram dificuldades para regular suas emoções e pesquisadores descobriram que os traumas mais profundos só surgiram após o término dessas crises. Observaram também que pode haver aumento da insônia e abuso de substâncias ilícitas e bebidas alcoólicas.

Por esse motivo, é essencial cuidar da sua saúde mental não somente durante a pandemia, mas prepará-la também para o pós, já que assim como as crises anteriores, essa também vai passar. Algumas estratégias podem ser adotadas no dia a dia para isso. É preciso, principalmente, que as pessoas diminuam a tensão que está associada à situação ou ao local.

Algumas dicas são: focar em táticas positivas de enfrentamento como exercícios, meditação, caminhadas ao ar livre (respeitando as normas de segurança atuais e locais) e tomar ar fresco sempre que possível; monitorar o seu diálogo interno e se questionar se os pensamentos são úteis ou se estão contribuindo para diminuir a ansiedade; diminuir a quantidade de notícias absorvidas sobre a crise, a doença, a situação mundial; ao dirigir, ouvir aquela música favorita e se permitir cantar junto; enquanto estiver em uma fila ou aguardando para ser atendido, ter sempre a mão aquele seu livro favorito, de enredo leve e que traga uma sensação de calma e conforto; se utilizar o transporte público for extremamente necessário, durante o trajeto, procure ver fotos arquivadas no seu celular para evocar boas lembranças da vida, principalmente de eventos antes da pandemia; em reuniões de trabalho, lembre-se da importância de compartilhar ideias e manter a empregabilidade neste momento tão difícil que todos estão enfrentando; se for necessário realizar uma viagem longa, aproveite para turbinar sua mente com jogos de lógica e atenção focada; se conhecer alguém que está ansioso em ter que sair de casa, adicione humor ao dia dessa pessoa e fale sobre si mesmo pode acalmá-lo;

Muitas mudanças ocorrem pela forma como pensamos nos comportamos e nos relacionamos. Algumas serão temporárias, mas outras potencialmente permanentes, definindo nosso novo normal. Essa ansiedade persistirá por um longo tempo e mudará profundamente a maneira como as pessoas interagem. Mas, não podemos deixar que o nosso medo nos paralise. Somos incrivelmente capazes de nos adaptar a qualquer tipo de situação.

*Patrícia Santos, palestrante, escritora e especialista em gerenciamento da raiva

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.