Como a tecnologia transformou o campo, o transporte e a construção no Brasil

Como a tecnologia transformou o campo, o transporte e a construção no Brasil

Carlos Alberto Pinto Nogueira*

14 de julho de 2020 | 07h28

Carlos Alberto Pinto Nogueira. Foto: Divulgação

Qual é o tema comum quando falamos de tecnologia aplicada no Agricultura, no Transporte ou até mesmo na Construção? Precisamos entender como transformar o mundo físico em digital.

A primeira coisa que precisamos, então, é a perfeita localização do que quer que estamos tentando digitalizar, seja um trator, um caminhão, um prédio ou uma rodovia. Para isso, contamos com tecnologias de posicionamento baseadas em informações satélites (GPS, Galileo, Glonass, Baidu etc.), e que muitas vezes podem ser complementadas com estações terrestres para maior precisão, pois os sinais de satélite podem sofrer distorções, ainda que pequenas, causadas pela atmosfera terrestre. Uma vez que sabemos a localização exata geoposicionada do que estamos querendo processar, o primeiro passo foi dado.

Passamos então ao segundo requisito, que é comunicar esses dados em tempo real. Se estamos falando de algo em movimento, como uma colheitadeira ou um automóvel, isso se torna mais óbvio. Mas também no caso de um edifício ou uma estrada de ferro, transmitir a informação em tempo real é de extrema importância, especialmente quando temos várias pessoas interagindo simultaneamente em um projeto. Essa comunicação pode ocorrer por meio de redes de telefonia celular, via bluetooth, ZigBee, entre outros.

Pronto: agora temos as informações geoposicionadas e transmitidas em tempo real ao seu escritório e podemos então começar a processar as informações muito mais facilmente do que no campo! Há ainda a possibilidade de combinar essas informações com dados históricos (de solo e clima, por exemplo), de trabalhar em conjunto com um grupo de pessoas que, mesmo não estando fisicamente no mesmo local, estão interagindo em tempo real. E até mesmo podem estar visualizando o que acontece no projeto por meio de tecnologia de realidade mista.

Agora um produtor pode tomar decisões estratégicas de plantio ou colheita se baseando em informações precisas, e em tempo real. Um engenheiro ou arquiteto também usa os dados digitais em seus projetos físicos. Tudo isso é possível graças à utilização de utilização de diferentes softwares e hardwares que processam milhares de informações por segundo, temos então o resultado final dos problemas que pretendíamos resolver. Falta o que, então? levar essas informações de volta, em tempo real, e aplicá-las nos pontos geoposicionados de onde vieram. Ao concluir esse processo, está tudo pronto: temos aí uma operação/construção muito mais eficiente e efetiva.

É possível transformar as informações coletadas no mundo físico em conteúdo digital. Com isso oferecer dados às indústrias para resolução de problemas no campo. Precisamos otimizar o processo de toda a cadeia produtiva, seja na agricultura, na construção ou transporte e logística. A tecnologia existe para diminuir desperdício e aumentar a produtividade. Não fique para trás!

*Carlos Alberto Pinto Nogueira é vice-presidente global da Trimble

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.