Como a pandemia tem impactado e mudado os hábitos de mobilidade dos brasileiros

Como a pandemia tem impactado e mudado os hábitos de mobilidade dos brasileiros

Flávio Passos*

16 de abril de 2021 | 04h15

Flávio Passos. FOTO: DIVULGAÇÃO

O agravamento da pandemia no país vem impondo mudanças nas demandas de mobilidade nas principais capitais brasileiras. As medidas de distanciamento são difíceis de serem adotadas nos transportes públicos, um dos principais meios de locomoção para aqueles que não podem trabalhar de forma remota. Neste cenário, as pessoas começam a reconsiderar as formas de deslocamento pela cidade.

Na tentativa de obter mais uma alternativa de proteção à saúde e continuar garantindo a mobilidade, a aquisição de um veículo próprio voltou a ser considerada, menos como um desejo de consumo, e mais como uma forma de segurança sanitária. As finalidades de uso dos veículos também mudaram nesse período e o entretenimento é uma delas. As pessoas podem assistir a sessões de cinema e espetáculos ao estilo drive-in, com riscos minimizados e garantindo momentos de descontração. Além disso, os motoristas também passam a avaliar grandes deslocamentos para descansar ou mesmo permanecer em regiões mais afastadas, mais abertas e onde ficarão menos suscetíveis ao contágio.

As plataformas de compra e venda de veículos online refletem esse novo cenário e registraram um aumento de 13% nas vendas de automóveis em 2020, em relação a 2019. As buscas também tiveram acréscimo, com alta de 19% em carros e 22% em motos. Este desequilíbrio entre oferta e demanda gera o fenômeno conhecido como super liquidez, que acelera o processo de venda de veículos anunciados, com mais de 30% dos veículos anunciados hoje sendo vendidos em menos de quatro dias.

Diante de fatores econômicos, como a alta do dólar frente ao real e gargalos na produção de veículos novos, o mercado de usados e seminovos está aquecido. De acordo com dados da Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores), as vendas de automóveis seminovos e usados cresceram 22,34% em dezembro de 2020, comparado ao mesmo período do ano anterior.

Com as restrições de deslocamento, as plataformas de compra e venda de veículos online, assim como o e-commerce, tornaram-se uma alternativa e ganharam mais espaço nos hábitos dos consumidores. Revendas de automóveis também passaram a investir mais nesses canais, como uma alternativa de manter as vendas nas fases em que apenas o comércio de itens essenciais pode funcionar presencialmente e ter uma loja virtual aberta 24 horas por dia se tornou uma questão de sobrevivência.

Para isso, o setor apostou na digitalização dos processos e da jornada de compra, com recursos como a possibilidade de inserir vídeos nos anúncios, permitindo que os compradores possam ver mais detalhes do veículo; recursos de entrega dos automóveis na casa dos compradores, evitando a locomoção e encontro das pessoas; além de aproximar vendedores e compradores, que antes talvez não tivessem contato devido à distâncias geográficas. Essas mudanças de hábito de consumo devem se manter após a pandemia e contribuir para o crescimento e amadurecimento do setor de vendas de veículos online, e que certamente gerará uma maior satisfação do consumidor digital que se tornou ainda mais exigente durante a pandemia, em um processo irreversível.

*Flávio Passos é vice-presidente de Autos e Comercial da OLX

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.