Como a pandemia (re)definiu o papel essencial da Nuvem

Como a pandemia (re)definiu o papel essencial da Nuvem

Maurício Cascão*

26 de dezembro de 2020 | 06h00

Maurício Cascão. FOTO: CARLOS ESDRAS

À medida que a pandemia se alonga, empresas revisam seus conceitos sobre o que gera valor para suas operações. A elasticidade da Nuvem se mostrou essencial para acomodar o crescimento exponencial de alguns serviços durante a pandemia (exemplo: iFood, Netflix, Zoom…), assim como para ajudar empresas que precisaram apertar os cintos e conseguiram redução de consumo e de custos em Cloud. Nuvem funciona no princípio do pay as you go, e se o seu “go” está mais lento, o “pay” diminui.

Independentemente da área de atuação, ambientes e aplicações em Nuvem têm acelerado a capacidade de inovação das empresas. Não por acaso, 10 em 10 Unicórnios rodam seus sistemas em nuvem, e as empresas mais valiosas do mundo são empresas de tecnologia. A Nuvem permite que empresas e pessoas tenham acesso a serviços, produtos e oportunidades não imaginadas. As instituições mais tradicionais do setor financeiro, os grandes bancos, estão abraçando a Nuvem, como forma de equilibrar o jogo com players menores, mais ágeis e rápidas para inovar.

A Transformação Digital ganhou enorme impulso com a Covid-19. Em qualquer estratégia de TD, a Nuvem está presente e sem ela não há transformação “digital”. Dois terços das iniciativas de digitalização do mundo acabam falhando por falta de planejamento. Para que sua companhia não faça parte dessa estatística, o primeiro passo é entender como potencializar a sua infraestrutura para que os seus executivos, se concentrem no seu negócio e na criação de novos produtos de valor. A Nuvem é um facilitador, que aumenta a sua performance, com segurança e com custos flexíveis.

Assim, silenciosamente, a Nuvem tornou-se onipresente no dia a dia das empresas, posicionando-se na base da sua infraestrutura. Todos aderimos a ambientes de trabalho remotos, com profissionais em home office. Quem consegue imaginar, em tempos de covid, sobreviver sem ferramentas de colaboração, ou de e-commerce, ou o super app da sua preferência, todos, rodando em nuvem? Esse modelo deve continuar após a pandemia, demandando ainda mais estrutura tecnológica para o acesso remotizado a aplicações, sistemas e serviços, cada vez mais essenciais.

É essencial escolher bons parceiros de negócios e usar a tecnologia de forma inteligente. A boa notícia é que nenhuma companhia precisa seguir sozinha na Jornada da Digitalização. A Transformação Digital pode ser implementada com o apoio de parceiros de negócios, afinal, as coisas incríveis nunca são feitas por uma única pessoa: são feitas por um time.

*Maurício Cascão, CEO da Mandic

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.