Commodities – entenda como investir neste tipo de mercado

Commodities – entenda como investir neste tipo de mercado

Gustavo Vaz*

28 de setembro de 2020 | 03h30

Gustavo Vaz. FOTO: DIVULGAÇÃO

Commodities é o nome dado aos ativos negociados no mercado brasileiro e mundial referentes a algumas matérias-primas. Produtos fabricados ou extraídos em larga escala, com baixo valor adicionado, e que normalmente são utilizados como insumos para o desenvolvimento de algum outro material com um valor substancialmente mais valioso.

Apesar de mais conhecidas no setor agrícola, as commodities também são encontradas no setor de mineração, na área ambiental – contribuem na geração de energia – e até mesmo, no mercado financeiro como moeda de determinados países. Os exemplos mais comuns são o milho, café, ouro, minério de ferro, petróleo, dólar e energia.

Convivemos o tempo todo com as commodities em nossas vidas, e muitos empresários necessitam destes modelos de matérias-primas para a continuidade de seus negócios. Desde uma granja que utiliza a soja e o milho para a criação de suas galinhas até uma multinacional distribuidora de carne bovina. No entanto, poucas pessoas sabem que é possível investir nestes tipos de produtos no mercado financeiro.

Da mesma maneira que uma pessoa pode ir até a Bolsa de Valores para comprar ações de uma empresa que gosta ou queira ser sócia, ela também pode recorrer ao mercado financeiro para investir em matérias-primas como o café, soja, milho, boi gordo e dentre outras. O mercado de ações é conhecido como “mercado à vista”, pois nele as pessoas podem comprar diretamente o ativo procurado. Entretanto, também existe um outro mercado intitulado de “derivativos”, onde o investidor pode comprar um bem que é derivado de outro, e é exatamente neste espaço que as commodities podem ser negociadas. Para facilitar o entendimento, posso dar um exemplo: quando uma pessoa compra um contrato de boi gordo, ela não está adquirindo diretamente o animal, mas sim um contrato que possui o valor derivado do preço deste animal.

Para ter acesso a este tipo de mercado, uma pessoa física ou jurídica necessita somente possuir um cadastro em alguma corretora de valores mobiliários, que dê acesso à bolsa de valores. O processo é semelhante ao de abrir uma conta em um banco, o interessado precisa cadastrar os seus dados pessoais que, posteriormente, serão analisados pela instituição financeira e ficaram sob a vigilância dos órgãos competentes, como por exemplo, o Banco Central e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Uma vez entendida a forma de se ter acesso a este tipo de investimento, é necessário compreender porque algum investidor buscaria por este modelo de ativo. A resposta deste questionamento pode ser baseada em duas possibilidades, especulação ou proteção. A especulação se configura quando um investidor por alguma razão, acredita que o valor da commodity irá subir ou cair em um determinado período, e desta maneira, pretende extrair do mercado algum ganho de curto prazo. Exemplo: caso um especulador acredite que o preço do milho irá subir até o final do mês e se essa commodity realmente se valorizar neste período, ele pode comprar um contrato de milho agora e depois vendê-lo à um preço mais alto do que tinha comprado anteriormente.

A proteção é caracterizada quando um investidor já utiliza de alguma commodity em seu dia a dia e precisa travar o preço de seu bem devido a alguma razão, como por exemplo, o aumento de previsibilidade do custo de produção de sua empresa. Para uma granja, saber o quanto será pago pelo fornecimento de milho, é bastante difícil, pois o valor dependerá do preço futuro da commodity – o período cíclico da safra possui grande influência sobre a definição deste custo. Então, para este tipo de empresa é interessante que o contrato de milho seja comprado no mercado financeiro. Desta forma, o empresário saberá exatamente o quanto terá de custo com o fornecimento de milho. Isso acontece pelo simples fato de que por mais que o preço do milho suba e o empresário tenha que pagar por uma safra mais cara no recebimento, ele ganhará na mesma proporção se optar pela compra do contrato de milho no mercado financeiro.

Especulando ou protegendo, é importante ressaltar que o mercado de derivativos é composto por muitas variações e detalhes técnicos, ou seja, é recomendável que as pessoas interessadas neste tipo de ativo sempre procurem pelo auxílio de um especialista da área, pois somente ele saberá conduzir a tomada de decisões sensatas e assertivas. Uma vez bem acompanhado, todo investidor tem no mercado de commodities uma ótima opção de investimento e diversificação.

*Gustavo Vaz, assessor e operador de renda variável na Atrio Investimentos

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.