CNJ suspende pagamento de precatório de R$ 118 mi em Rondônia

CNJ suspende pagamento de precatório de R$ 118 mi em Rondônia

Plenário do Conselho Nacional de Justiça ratificou, na sessão de terça, 19, liminar do corregedor nacional, ministro Humberto Martins, que alertou para 'o risco de grave e iminente dano ao erário municipal' de Porto Velho

Redação

21 de fevereiro de 2019 | 06h03

Foto: CNJ

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça ratificou liminar do corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, para suspender o pagamento de precatório devido pelo município de Porto Velho, no valor de R$ 118 milhões. A decisão foi tomada na sessão de terça, 19, e divulgada nesta quarta, 20, pelo CNJ.

No caso, o promotor de Justiça titular da Defesa Administrativa e Patrimônio Público de Porto Velho formulou pedido de providências contra o Tribunal de Justiça de Rondônia, com o objetivo de anular uma audiência realizada no dia 13 de setembro de 2018 e suspender os efeitos do acordo nela pactuado referente ao pagamento do precatório.

Segundo o Ministério Público estadual, a instituição manifestou expressamente interesse no acompanhamento do trâmite do precatório ‘devido aos fatos antecedentes ocorridos que indicaram erros de cálculo de atualização, com repercussão no aumento artificial do valor devido pelo município de Porto Velho.

O Ministério Público destacou, ainda, que na audiência de conciliação para fins de acordo direto, ‘não foi observado o valor atual do precatório, mas sim um valor anterior que estava supervalorizado em muitos milhões de reais, causando grave prejuízo à municipalidade’.

Ao deferir a liminar, o ministro Humberto Martins considerou a provável existência de nulidade na audiência de conciliação para fins de acordo direto, e na fase administrativa do pagamento, ante a ausência de intimação do Ministério Público que havia manifestado interesse no feito.

O corregedor do CNJ considerou ‘o risco de grave e iminente dano ao erário municipal’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: