Cinco policiais rodoviários federais são presos por propina no Ceará

Cinco policiais rodoviários federais são presos por propina no Ceará

Alvos da Operação Déjà Vu, policiais são suspeitos de cobrar valores ilícitos para não autuar veículos em situação irregular

Luiz Vassallo, Fausto Macedo e Julia Affonso

25 de abril de 2017 | 11h50

Crédito: TÁRLIS SCHNEIDER/ACURÁCIA FOTOJORNALISMO

Crédito: TÁRLIS SCHNEIDER/ACURÁCIA FOTOJORNALISMO

A Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal deflagraram a Operação Déjà Vu na manhã desta terça-feira, 25, contra policiais rodoviários federais suspeitos de corrupção contra usuários da rodovia BR 020, na região de Boa Viagem, Ceará. Foram expedidos 10 mandados de busca e apreensão e uma ordem de suspensão de exercício de função pública.

Em nota, a Polícia Federal afirma que policiais ‘são suspeitos de praticarem atos de corrupção contra usuários da rodovia’. De acordo com a corporação, o grupo cobrava propina para não autuar veículos que estavam em situação irregular.

A força tarefa empenhada na Operação Déjà Vu é composta por 50 Policiais Rodoviários Federais e 50 Policiais Federais. Foram cumpridos mandados nas cidades de Fortaleza, Sobral, Boa Viagem e Maracanaú.

As investigações partiram da prisão, em flagrante, de um policial rodoviário federal, em 2015, pelo crime de corrupção passiva, ocorrida na unidade de Boa Viagem – alvo da operação deflagrada nesta terça-feira.

Segundo a PF, os presos foram encaminhados à Polícia Federal no Ceará e serão indiciados por corrupção passiva e associação criminosa.

A operação foi batizada de Déjà Vu em razão da reincidência da suposta cobrança de propina na Unidade Operacional de Boa Viagem (CE), local de origem das investigações que culminaram com ação deflagrada nesta terça-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.