Gilmar, Cármen, Lewandowski, Alexandre e Mendonça não entram em recesso e poder de Fux esvazia

Ao manterem gabinetes em operação, ministros reduzem poderes da presidência do tribunal no plantão de julho

Rayssa Motta

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Recesso no STF vai de 2 a 31 de julho. Foto: Gervásio Baptista/SCO/STF

Cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram trabalhar durante o recesso e não sair de férias em julho. André MendonçaCármen Lúcia, Ricardo LewandowskiAlexandre de Moraes e Gilmar Mendes comunicaram à presidência da Corte que vão seguir despachando nas próximas semanas.

O Supremo entra de recesso neste sábado, 2, o que deixaria os ministros Luiz Fux e Rosa Weber, respectivamente presidente e vice-presidente do tribunal, responsáveis pela análise de todos os casos considerados urgentes, inclusive aqueles que estão sob a relatoria dos colegas. Na prática, ao manterem os gabinetes em operação, os ministros esvaziam os poderes da presidência.

O recesso no STF vai até o final de julho: Rosa ficará responsável pelo plantão nas próximas duas semanas e, a partir do dia 18, Fux assume a função. Em fevereiro, a Corte retoma das atividades regulares.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Veja as respostas dos ministros que vão continuar trabalhando:

  • André Mendonça: “Permanecerei no exercício das funções jurisdicionais durante o período de 2 a 31 de julho de 2022.”
  • Cármen Lúcia: “Permanecerei exercendo a função jurisdicional em relação aos inquéritos, às ações penais e às PETs criminais de minha relatoria e aos que me forem distribuídos no período.”
  • Ricardo Lewandowski: “Continuarei decidindo as liminares, cautelares e tutelas de urgência nos processos dos quais sou relator ou naqueles que sejam a mim distribuídos por prevenção.”
  • Alexandre de Moraes: “Permanecerei exercendo a função jurisdicional em relação aos inquéritos e investigações sob a minha relatoria, bem como nos pedidos de tutela de urgência, durante as férias coletivas de julho de 2022”.
  • Gilmar Mendes: “Meu gabinete continuará exercer suas funções jurisdicionais, decidindo as liminares, cautelares e tutelas de urgência referentes aos processos de minha relatoria ou que venham a ser a mim distribuídos.”

Recesso no STF vai de 2 a 31 de julho. Foto: Gervásio Baptista/SCO/STF

Cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram trabalhar durante o recesso e não sair de férias em julho. André MendonçaCármen Lúcia, Ricardo LewandowskiAlexandre de Moraes e Gilmar Mendes comunicaram à presidência da Corte que vão seguir despachando nas próximas semanas.

O Supremo entra de recesso neste sábado, 2, o que deixaria os ministros Luiz Fux e Rosa Weber, respectivamente presidente e vice-presidente do tribunal, responsáveis pela análise de todos os casos considerados urgentes, inclusive aqueles que estão sob a relatoria dos colegas. Na prática, ao manterem os gabinetes em operação, os ministros esvaziam os poderes da presidência.

O recesso no STF vai até o final de julho: Rosa ficará responsável pelo plantão nas próximas duas semanas e, a partir do dia 18, Fux assume a função. Em fevereiro, a Corte retoma das atividades regulares.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Veja as respostas dos ministros que vão continuar trabalhando:

  • André Mendonça: “Permanecerei no exercício das funções jurisdicionais durante o período de 2 a 31 de julho de 2022.”
  • Cármen Lúcia: “Permanecerei exercendo a função jurisdicional em relação aos inquéritos, às ações penais e às PETs criminais de minha relatoria e aos que me forem distribuídos no período.”
  • Ricardo Lewandowski: “Continuarei decidindo as liminares, cautelares e tutelas de urgência nos processos dos quais sou relator ou naqueles que sejam a mim distribuídos por prevenção.”
  • Alexandre de Moraes: “Permanecerei exercendo a função jurisdicional em relação aos inquéritos e investigações sob a minha relatoria, bem como nos pedidos de tutela de urgência, durante as férias coletivas de julho de 2022”.
  • Gilmar Mendes: “Meu gabinete continuará exercer suas funções jurisdicionais, decidindo as liminares, cautelares e tutelas de urgência referentes aos processos de minha relatoria ou que venham a ser a mim distribuídos.”

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato