Chefe da PF em São Paulo internado no Sírio com suspeita de coronavírus

Chefe da PF em São Paulo internado no Sírio com suspeita de coronavírus

Delegado Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho passa por exames no hospital para saber se pegou coronavírus; na semana passada, infectologista David Uip esteve na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal, na Lapa

Fausto Macedo e Pepita Ortega

26 de março de 2020 | 10h03

Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho

O delegado Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho, superintendente da Polícia Federal em São Paulo com 33 anos de carreira, está internado no Hospital Sírio-Libanês, com quadro de pneumonia, e aguarda resultado de exame para saber se está com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Dr Filho é um delegado carismático e respeitado por seus pares.

Na semana passada, o infectologista David Uip – que está com o novo coronavírus – esteve na sede da corporação na Lapa. Na reunião, também estavam presentes outros três delegados que já foram submetidos ao teste da Covid-19, e receberam resultado negativo.

O médico de 67 anos é amigo dos delegados federais e comanda o Centro de Contingenciamento do Coronavírus. Ele apresentou tosse e febre na madrugada de domingo para esta segunda-feira, 23, e também foi examinado no Hospital Sírio-Libanês.

Após a confirmação dos exames de Uip, o governador João Doria e o prefeito Bruno Covas passaram pelos exames da Covid-19 e os resultados foram negativos.

Antes de ser internado no Sírio, o delegado superintendente tomou medidas para evitar a proliferação do vírus na sede da PF em São Paulo e para preservar os policiais e servidores da corporação.

A PF em São Paulo passou a trabalhar em regime de restrição de atendimento presencial e desde a terça, 24, todos os atendimentos relacionados ao registro migratório, incluindo entrega de carteiras, foram limitados aos casos de extrema necessidade comprovada.

Tendências: