CGU abre mais 9 processos no caso Petrobrás e SBM

Entre os investigados estão 5 gerentes da estatal que teriam recebido propinas de empresa holandesa

Redação

02 de dezembro de 2014 | 13h11

Ricardo Chapola
Fausto Macedo

O ministro chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, determinou nesta terça-feira, 2, a abertura de mais sete processos administrativos contra empregados, gerentes e ex-gerentes da Petrobrás. A CGU também duas sindicâncias patrimoniais para apurar suspeitas de incompatibilidade patrimonial dos servidores da estatal investigados pela Operação Lava Jato.

A decisão pela abertura de novos processos é fruto de uma sindicância instaurada pela CGU no primeiro semestre, cujo escopo eram as relações da Petrobrás com a empresa holandesa SBM Offshore. A sindicância investigava suposta obtenção de vantagens indevidas da multinacional e o pagamento de propina a agentes públicos federais.

Segundo a CGU, funcionários cuja participação no caso seja comprovada correm risco de demissão. Caso os servidores deixem o cargo, a CGU diz que poderá haver a conversão em destituição ou demissão por justa causa, com eventual proibição de retorno a empregos públicos.

É a segunda vez que a CGU abre uma série de processos contra agentes públicos supostamente envolvidos no esquema da Petrobrás e a SBM. Na primeira etapa, a corregedoria pediu abertura de seis processos e uma sindicância patrimonial, além do processo de responsabilização da empresa holandesa, que poderá acarretar o impedimento de celebrar novos contratos com a estatal.

 

Tudo o que sabemos sobre:

CGUoperação Lava JatoPetrobrásSBM