Certificação FSC e a crise ambiental: selo é uma ferramenta eficaz para as organizações exercerem o desenvolvimento sustentável

Thiago Casemiro*

21 de abril de 2021 | 03h00

Ao lado da crise sanitária e econômica, o Brasil vem atravessando também uma importante crise ambiental, com perda cada vez maior de sua vegetação nativa. O Relatório Anual do Desmatamento no Brasil apontou uma perda de, ao menos, 1.218.708 hectares (12.187 km²) de áreas verdes — o equivalente a oito vezes o município de São Paulo —, com estimativas de que, aproximadamente, 20 mil quilômetros quadrados são desmatados por ano, em consequência de derrubadas e incêndios.

Segundo lugar no ranking de países com maior cobertura vegetal — atrás apenas da Rússia —, o Brasil ocupa, assim, o primeiro lugar de um pódio bastante negativo: o do desmatamento. De acordo com um estudo publicado pelo Global Forest Watch, baseado em dados divulgados pela Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, o País foi responsável por um terço da redução global de florestas tropicais primárias em 2019. Outro levantamento, feito pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), aponta que o Brasil também lidera a lista dos dez países que mais perderam florestas entre 2010 e 2020.

Diante deste cenário, cada vez mais proprietários e administradores florestais, além de fabricantes, processadores e comerciantes de produtos florestais madeireiros e não madeireiros, estão optando pela certificação FSC (Forest Stewardship Council), que atesta que a floresta é manejada de maneira responsável, de acordo com os princípios e critérios estabelecidos pela entidade internacional. Entre dezembro de 2019 e o primeiro trimestre de 2021 foram certificados 831.794 de hectares na modalidade manejo florestal — um crescimento de 11,8% em pouco mais de um ano. Já a modalidade de cadeia de custódia saltou 5,7% no mesmo período.

Desde a sua criação, o FSC trabalha para melhorar as práticas florestais em todo o mundo, conciliando os benefícios ambientais, econômicos e sociais da gestão florestal. O órgão é o principal sistema de certificação florestal do mundo e está oficialmente presente no País desde 2001. A presença do selo FSC em um produto agrega valor à marca, já que hoje é o selo verde mais reconhecido em todo o mundo, com presença em dezenas de países e em todos os continentes. Atualmente, os negócios com produtos certificados geram negócios da ordem de bilhões de dólares por ano.

Além de contribuírem com o combate ao desmatamento e com o uso responsável dos recursos florestais, as empresas que obtém a certificação FSC conquistam outros benefícios como a contribuição para o desenvolvimento sustentável dos espaços florestais; o aumento e reforço da competitividade dos produtos de base florestal no mercado global; facilidade de acesso ao ecomarket e a mercados cada vez mais exigentes; e demonstração de respeito aos direitos dos trabalhadores e das comunidades locais.

Segundo dados divulgados pelo FSC, o Brasil possui, atualmente, 7.902.551 de hectares certificados na modalidade de manejo florestal e envolve 144 operações de manejo, entre áreas de florestas nativas e plantadas — o que confere ao País o 6º lugar no ranking total do sistema FSC. Este tipo de certificação atesta que a floresta é manejada de maneira responsável, de acordo com os princípios e critérios estabelecidos pela entidade, e produtores de todos os portes podem obter o certificado, assim como podem ser certificadas as florestas naturais ou plantadas, públicas ou privadas.

Já a modalidade de cadeia de custódia conta com a emissão de 1052 certificados. É essa certificação que garante a rastreabilidade desde a produção da matéria-prima que sai das florestas, passando por todos os processos de manufatura até chegar ao consumidor final, assegurando que não haverá mistura de matéria-prima certificada com não certificada. Podem obter a certificação todas as organizações que processam, transformam e comercializam produtos florestais, como fábricas de papel e de celulose, gráficas, editoras, serrarias e moveleiras, entre outras.

Para que a empresa obtenha a certificação FSC, ela precisa se adequar aos requisitos da norma FSC STD 40.004 V3, tendo como base quesitos como: possuir fornecedores certificados; implementar um sistema de gestão da Cadeia de Custódia FSC, seguindo os requisitos da norma; estabelecer e implementar um plano de treinamento; passar por auditoria de certificação e, após, aguardar a emissão do certificado.

*Thiago Casemiro, é gerente comercial da APCER Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.