Centrais sindicais apontam ‘inação’ do governo Bolsonaro na pandemia e vão ao Supremo por lockdown nacional

Centrais sindicais apontam ‘inação’ do governo Bolsonaro na pandemia e vão ao Supremo por lockdown nacional

Dezoito entidades representativas de trabalhadores apontam violação do direito social à saúde e do direito fundamental à vida e dizem ser necessária uma 'política concertada e coordenada no sentido de se salvar vidas', o que , para elas, 'não se evidencia contemporaneamente'

Redação

09 de abril de 2021 | 10h15

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Dezoito entidades representativas de trabalhadores acionaram o Supremo Tribunal Federal pedindo que a corte reconheça um ‘estado de coisas inconstitucional’ na condução das políticas públicas de saúde nacional em meio à pandemia da covid-19 e a determine uma série de ações de enfrentamento ao novo coronavírus, como um lockdown nacional por 21 dias.

Documento

A ação aponta violação do direito social à saúde e do direito fundamental à vida, citando a taxa de ocupação de de leitos de UTI para covid-19 superior a 90% em diferentes regiões do País, além dos recordes diários no número de casos e de óbitos. Nessa linha, aponta que é necessária uma ‘política concertada e coordenada no sentido de se salvar vidas’, o que , para as entidades, ‘não se evidencia contemporaneamente’

Segundo as entidades, há inação do governo Jair Bolsonaro, ‘tanto na coordenação efetiva, quanto na determinação de medidas restritivas em todo o território nacional’, o que impede a eficácia de medidas locais, regionais ou estaduais. A petição inicial lembra ainda que o governo frequentemente critica ou coloca em dúvida a eficácia das medidas.

“A inação do Governo Federal, todavia, em adotar as medidas restritivas necessárias ao enfrentamento da crise sanitária, recomendadas por autoridades científicas nacionais e estrangeiras, tem levado a escalada do número de mortes em todo o território nacional e ao completo colapso de sistema de saúde”, registra a ação.

As entidades pedem liminar para que, sob a coordenação do governo federal, seja imposta aos entes federativos a obrigação de adotarem medidas de lockdown pelas próximas três semanas com vistas a reduzir a circulação de pessoas, bem como a adoção de medidas recomendadas pela comunidade científica:

  • A proibição de eventos presenciais como shows, congressos, atividades religiosas, esportivas e correlatas em todo território nacional;
  • A suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação do país;
  • O toque de recolher nacional a partir das 20h até as 6h da manhã e durante os finais de semana;
  • O fechamento das praias e bares;
  • A adoção de trabalho remoto sempre que possível, tanto no setor público, quanto no privado;
  • A instituição de barreiras sanitárias nacionais e internacionais, considerando o fechamento dos aeroportos e do transporte interestadual;
  • A adoção de medidas para redução da superlotação nos transportes coletivos urbanos;
  • A ampliação da testagem e acompanhamento dos testados, com isolamento dos casos suspeitos e monitoramento dos contatos.

O documento é assinado pela Central única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social da CUT (CNTSS/CUT),Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS), Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT (CONTRACS/CUT), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Confederação Nacional dos Trabalhadores Públicos Municipais (Conatram), Associação Brasileira da Rede Unida, Associação Brasileira de Enfermagem (Aben), Associação Brasileira de Organizações não governamentais (Abong), Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar), Movimento de Reintegração das Pessoas atingidas pela Hanseníase (Morhan) e Sindicato dos Servidores do Sistema Nacional de Auditoria do SUS (Unasus Sindical).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.