Celso de Mello vê ‘aparente prática criminosa’ em conduta de Weintraub na reunião

No trecho destacado pelo decano, o ministro da Educação afirma que, por ele, ‘botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF’

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), apontou na decisão em que levanta sigilo da reunião ministerial do dia 22 de abril aparente “prática criminosa” cometida pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

No trecho destacado pelo decano, o ministro da Educação afirma que, por ele, “botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”.

Segundo o decano, a “gravíssima aleivosia” feita por Weintraub, “num discurso contumelioso e aparentemente ofensivo ao patrimônio moral” dos ministros do STF, põe em evidência que tal afirmação configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria).

O ministro da Educação Abraham Weintraub. Foto: Dida Sampaio / Estadão

Celso de Mello ainda determinou que se oficie todos os ministros do STF sobre o fato, enviando a eles cópia de sua decisão, para que possam, “querendo, adotar as medidas que julgarem pertinentes”.

No trecho, Weintraub também fala que “odeia” o termo povos indígenas. “Ele tá querendo transformar a gente numa colônia. Esse país não é… odeio o termo ‘povos indígenas’, odeio esse termo. Odeio. O ‘povo cigano’. Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré. É povo brasileiro, só tem um povo. Pode ser preto, pode ser branco, pode ser japonês, pode ser descendente de índio, mas tem que ser brasileiro, pô! Acabar com esse negócio de povos e privilégios”, afirmou Weintraub na reunião.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato