Celso de Mello arquiva processo contra Bolsonaro por Jean Wyllys ‘imbecil’

Celso de Mello arquiva processo contra Bolsonaro por Jean Wyllys ‘imbecil’

Decano do Supremo argumentou que imunidade parlamentar não permite que pré-candidato à Presidência seja responsabilizado no caso

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo / BRASÍLIA

25 de abril de 2018 | 18h24

Jair Bolsonaro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu arquivar um processo movido pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) contra Jair Bolsonaro (PSL-RJ) que apurava a suposta prática de crimes contra a honra. Para o ministro, a imunidade parlamentar conferida a Bolsonaro não permite que o congressista seja responsabilizado no caso.

+ Pesquisa Ibope aponta Bolsonaro e Alckmin empatados em São Paulo

O processo gira em torno de uma discussão em torno de um projeto de lei ocorrida em sessão da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. Na ocasião, Bolsonaro teria se referido a Jean Wyllys como “idiota” e “imbecil”.

+ ESPECIAL: Reportagem desvenda perfil do eleitor pró-Bolsonaro; ouça no ‘Estadão Notícias’

A Procuradoria-Geral da República (PGR) já tinha se manifestado pelo arquivamento do processo.

+ Bolsonaro quer ampliar equipe do PSL e eleger filho como líder

Para Celso de Mello, há “de ser ampla a liberdade de palavra assegurada aos membros do Congresso Nacional, ainda mais quando essa prerrogativa constitucional for exercida, como sucedeu no caso ora em exame, no âmbito da própria Casa legislativa a que pertence o parlamentar e for praticada em plena sessão de comissão técnica reunida para debates de determinado projeto de lei”.

“Considerada a própria jurisprudência que o Supremo Tribunal Federal firmou no tema ora em exame, que discursos e debates proferidos no âmbito das Casas legislativas, que veiculem imputações moralmente ofensivas, estão amparados, quer para fins penais, quer para efeitos civis (…) pela cláusula de inviolabilidade, pois nada se reveste de caráter mais intrinsecamente parlamentar do que os pronunciamentos feitos na esfera do Poder Legislativo”, concluiu o ministro, em decisão assinada no dia 17 de abril.

COM A PALAVRA, JEAN WYLLYS

O gabinete de Jean Wyllys foi procurado, mas não havia respondido à reportagem até a publicação deste texto.

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonaro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.