“Cê não sabe o que eu cortei… na máquina hoje”, diz alvo da Triplo X sobre destruição de provas

“Cê não sabe o que eu cortei… na máquina hoje”, diz alvo da Triplo X sobre destruição de provas

Interceptações telefônicas, dias antes de a PF deflagrar nova operação da Lava Jato, pegaram Ademir Auada e sua filha, Carolina, conversando sobre destruição de 'mala inteira' de papeis

Julia Affonso, Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Andreza Matais

27 de janeiro de 2016 | 19h10

GRAMPO-TRIPLOX

Cinco dias antes de a Polícia Federal deflagrar a Operação Triplo X, grampos telefônicos pegaram um dos investigados da nova etapa da Lava Jato, Ademir Auada, conversando com a filha, Carolina, sobre a destruição de provas. Ademir foi alvo de mandado da operação nesta quarta-feira, 27.

A PF grampeou pai e filha no último dia 22.

A PARTIR DOS 49 SEGUNDOS

CAROL: Oi, pai.

ADEMIR: Carol, será que você pode fazer uma favor, se possível. O Alexandre, o que prometeu hoje saiu na
marra, taí.. Ainda bem. Agora “tô” indo no outro lá. Vê se é possível, senão não faz mal. Você pode ir até
aquela adegazinha ali no jardim, né? Comprar meia garrafinha de vinho pra mim.

CAROL: Posso, eu vou. Daqui a pouco eu vou. Só vou terminar de picar os papeis que a máquina parou,
“tava” esperando ela voltar.

ADEMIR: Tá. Então chama-se “La Linda”.

CAROL: “La Linda?”

ADEMIR: “La Linda”, eles sabem, lá. É meia, meia garrafinha eu quero.

A PARTIR DE 1 MINUTO E 34 SEGUNDOS

Segundo a Lava Jato, Ademir é responsável, junto à empresa Mossack Fonseca, por pelo menos dezenove off­shores, enter elas a Murray Holdings, proprietária de um apartamento tríplex no Condomínio Solarius, em Guarujá, onde a família do ex-presidente Lula também teria um imóvel do mesmo padrão.

Documento

No dia 23, a PF interceptou:

ADEMIR: “cê” não sabe o que eu cortei.. nossa senhora.. na máquina hoje, viu?

CAROL: o que que você cortou? ah! você cortou mais papel?

ADEMIR: “bá!” Aquela mala inteira.. (ininteligível)

CAROL: Nossa! Não sei como aquela máquina aguentou.

ADEMIR: Não.. nossa senhora! Eu tentei consertar a outra.. não dá viu.

CAROL: Ah, mas quanto custa uma máquina dessas?

ADEMIR: 400 “pau”

CAROL: “Cê não quer comprar uma outra, não?

ADEMIR: Eu vou comprar mais uma depois

CAROL: Porque daí eu trago pra cá, a gente racha isso daí, e “meu”, eu vou cortando aqui. Porque senão.. vai uma vida pra cortar esses papéis.

ADEMIR: É.. tá bom.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato