Covid-19 e os cuidados para as visitas de Dia das Mães

Janos Valery Gyuricza*

10 de maio de 2020 | 03h30

Atualmente, grande parte dos países aplicam políticas de isolamento social e controlam o fluxo de pessoas nas cidades. Pelas ruas, comércios estão fechados, pessoas utilizam máscaras para se deslocar e há uma iminente sensação de perigo em todo local.

No mercado de trabalho, diversas empresas se viram obrigadas a adaptar seu estilo e aplicar o home office pela primeira vez na história. Outras, sem a possibilidade ou os recursos, estão sendo obrigadas a fechar suas portas, sem perspectivas de reabertura ou recuperação.

Em meio a este cenário, para alguns pode parecer desnecessário ou fútil comemorar um aniversário ou alguma data especial, mas isto é justamente o contrário do que muitos outros estão percebendo.

Somos sociais por natureza e uma doença que nos obriga a viver isolados, restringindo nossas interações e que transforma nossa rotina por completo pode nos causar danos a saúde física e mental. Aumentam-se os níveis de estresse e preocupação, mas faltam momentos de leveza que diminuem o impacto negativo.

Desta forma, recursos tecnológicos como chamadas de vídeo e as redes sociais se tornaram mais do que simples ferramentas para manter contato com a família e os amigos. Agora, são também formas de saciar nosso desejo por interação e aliviar a saudade de pessoas e dos momentos especiais.

Desde que o isolamento social começou no Brasil, passamos por uma das datas mais importantes do calendário: a Páscoa. Deixando de lado seu significado religioso, a Páscoa é um grande momento de interação entre família e amigos por conta da troca de presentes (ovos de páscoa), visitas de familiares distantes, almoços de família e viagens para aproveitar o feriado.

Entretanto, a experiência foi diferente desta vez. Ao invés da pintura de coelho no rosto das crianças, máscaras de proteção. Entrega dos ovos de casa em casa? Apenas à distância, muitas vezes com o ovo sendo entregue através de serviços de delivery e só abertos depois de higienizar a embalagem e as mãos.

Para os que fizeram e ainda farão aniversário durante este período, as comemorações tem um gosto diferente. No geral, cantar “parabéns” em uma chamada de vídeo era comum para amigos que estão em intercâmbios, fora do estado ou do país. Agora, crianças do mesmo bairro se reúnem em vídeo chamadas para celebrar seus aniversários. Sem primeiro pedaço do bolo, sem mesa de docinhos, sem sacola de lembrancinhas. Apenas o desejo de estar perto e fazer deste momento atípico, um momento especial, como deve ser.

A próxima grande data comemorativa e que possui um grande impacto no comércio é o Dia das Mães, comemorado tradicionalmente no segundo domingo de maio. Entre alguns governantes, como João Dória, de São Paulo, o adiamento do dia já é discutido para uma data em que acreditam os especialistas que grande parte da normalidade vá voltar. Entretanto, nenhuma previsão está correta e a data já é inserida em nosso calendário social.

Em caso de adiamento, haverá estranheza e possivelmente recusa por parte de uma parcela da população. A data pode mudar, mas a necessidade de estar presente e comemorar com as mães ainda existirá. Talvez, mais forte do que nunca.

Realizar chamadas de vídeo para matar a saudade e conversar com sua mãe neste momento é a saída mais segura e comum. Ainda, é possível enviar presentes através de compras por aplicativo e, porque não, investir em um jantar à distância, por vídeo chamada? É possível combinar o mesmo pedido em um restaurante, por exemplo, e fazer a experiência chegar um pouco mais perto da real.

Além de lavar as mãos, utilizar máscaras protetoras e manter distância mínima de um metro, é importante saber que a covid-19 nem sempre demonstra sinais de infecção e que mesmo assintomático, você pode transmitir o vírus para uma outra pessoa.

Antes de realizar a visita, pense duas vezes se você ou qualquer pessoa da sua casa apresentou quaisquer sintomas há menos de 21 dias. Lembre-se que ainda não há nenhum exame que possa dar segurança de que você não esteja transmitindo a doença.

Para aqueles que não abrem mão de fazer uma visita presencial, é necessário cuidado redobrado. Evite circular por outros locais, como supermercados, imediatamente antes de ir até a casa da sua mãe. Vá direto de casa. Não traga coisas da rua para casa sem antes higienizar corretamente.

Nestas visitas presenciais, caso a família seja grande e todos queiram realizar a visita, optem por criar um rodízio, estabelecendo horários para que não haja aglomeração na casa da pessoa que será visitada.

Mantenha a casa super bem ventilada e, de preferência, realize a visita em algum espaço mais amplo da casa, no jardim ou na varanda, se possível. Pode parecer uma boa ideia matar a saudade de todos juntos, mas quanto mais pessoas próximas, maior o risco de infecção e transmissão do vírus.

Nesses tempos, devemos aceitar que a saudade machuca, mas é importante ter responsabilidade e prezar pelo cuidado com todos antes de tomar a simples decisão de sair de casa.

*János Valery Gyuricza é Head de Medicina na Cuidas, startup que conecta empresas com médicos e enfermeiros para atendimentos no próprio local de trabalho

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigocoronavírusDia das Mães

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.