Casa Civil de Witzel nomeia irmã de Bretas, da Lava Jato, para cargo comissionado

Casa Civil de Witzel nomeia irmã de Bretas, da Lava Jato, para cargo comissionado

Marcilene Cristina Bretas Santana ocupa função de assessora na Controladoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro

Paulo Roberto Netto

19 de abril de 2019 | 14h23

Reprodução do Diário Oficial

O secretário de Casa Civil e Governança do Rio, José Luis Zamith, nomeou Marcilene Cristina Bretas Santana, irmã do juiz federal Marcelo Bretas, da Lava Jato, para cargo comissionado na Controladoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro (CGE). A informação foi divulgada pelo blog do jornalista Ruben Berta e confirmada pelo Estado.

Titular da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, Bretas é amigo do governador do Estado, Wilson Witzel (PSC), e esteve presente em sua posse na Assembleia Legislativa. De lá, seguiram juntos em avião da Força Aérea Brasileira para a posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília, a convite do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). No carnaval, o juiz da Lava Jato Rio curtiu a grandeza das escolas ao lado de Witzel, na Sapucaí.

Em nota, a CGE informa que a irmã de Bretas foi nomeada ao cargo após participar de processo seletivo em janeiro deste ano para a área de Assessoria Jurídica. De acordo com o órgão, foram analisados cerca de 800 currículos.

“Vale ressaltar que dentre os currículos recebidos, o de Marcilene destacou-se por possuir experiências concretas na área de Controle Interno, uma vez que já atuou como controladora-geral do município de Queimados, de 2003 até 2005, e também como consultora jurídica geral na pasta, de 2013 até 2016”, afirma a CGE, em nota.

A nomeação de Marcilene Bretas foi publicada no Diário Oficial do Estado nesta quinta, 18, mas é retroativa para o dia 5 de abril.

A descrição da vaga no site da Controladoria-Geral informa que, entre as atribuições do cargo, está o “suporte à implementação das normas e políticas públicas de controle interno, integridade, anticorrupção e compliance”. Os requisitos para o processo seletivo eram diploma de bacharel em direito “com formação sólida na área pública”, saber ler textos em inglês e disponibilidade para carga horária de 40 horas semanais.

“Experiência prévia no sistema jurídico estadual, atuação em processos que envolvam licitações e pessoal e pós-graduação em Assessoria Jurídica ou em áreas de atuação da CGE serão diferenciais”, descreve a CGE.

Governador eleito pelo Rio de Janeiro, Wilson Witzel, é empossado em cerimônia no Palácio Tiradentes, sede da Alerj Foto: Magalhães Jr./Photopress

Marcilene Bretas assume o cargo deixado em fevereiro por Leandro Moreira Correa. De acordo com dados públicos do governo, o ex-assessor jurídico recebia R$ 15,3 mil por mês. Por ser concursado, o salário incluía gratificações, diferentemente do caso envolvendo a irmã de Bretas. Não foi divulgada a remuneração de Marcilene.

A Controladoria-Geral do Estado é o órgão responsável por fiscalizar condutas de servidores públicos do Rio de Janeiro e promover ações de auditoria, ouvidoria, transparência e corregedoria. Entre as atribuições da CGE estão o alerta para instauração de apuração de ações praticadas por agentes públicos contra os cofres do governo e representar esses desvios de conduta ao Tribunal de Contas do Rio de Janeiro.

O órgão também emite relatório e parecer conclusivo sobre a prestação de contas do governador.

COM A PALAVRA, A CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O GOVERNO DO RIO

A advogada e consultora jurídica Marcilene Cristina Bretas Santana foi nomeada na Controladoria Geral do Estado (CGE RJ) após ter enviado seu currículo para participar de processo seletivo para a área de Assessoria Jurídica, que analisou cerca de 800 currículos. (http://www.cge.rj.gov.br/2019/01/30/cge-abre-processo-seletivo-para-assessoria-juridica/).

Vale ressaltar que dentre os currículos recebidos, o de Marcilene destacou-se por possuir experiências concretas na área de Controle Interno, uma vez que já atuou como controladora-geral do município de Queimados, de 2003 até 2005, e também como consultora jurídica geral na pasta, de 2013 até 2016.

COM A PALAVRA, O JUIZ FEDERAL MARCELO BRETAS

A reportagem busca contato com o juiz federal Marcelo Bretas. O espaço está aberto para manifestações.

COM A PALAVRA, A ADVOGADA MARCILENE BRETAS

A reportagem busca contato com a advogada Marcilene Bretas. O espaço está aberto para manifestações.

Mais conteúdo sobre:

Marcelo BretasWilson José Witzel