Carreira ideal, existe?

Vivian Huet e Eduardo Martins*

12 de fevereiro de 2021 | 04h05

É comum a ansiedade e a insegurança na escolha do curso superior e essa sensação segue os primeiros anos de faculdade, sem saber direito o que quer ser e fazer. Atualmente, cerca de 50% dos alunos desistem do curso logo no primeiro ano de faculdade. Pensando nisso, decidimos aliar nossas experiências e orientar os estudantes na escolha profissional, com trabalho focado na compreensão das características individuais e do autoconhecimento do participante, fomentando a independência e a responsabilidade pelas suas escolhas.

Trabalhamos junto com o jovem para se tornar empreendedor de sua carreira, ou seja, se tornar protagonista do seu próprio desenvolvimento. Ao identificar e entender seus interesses e os traços da sua personalidade, fica mais fácil definir e abraçar os seus talentos potenciais, o que vai ajudar a determinar o seu perfil profissional. Uma série de tarefas para aprofundar o conhecimento sobre si mesmo e incentivar a sua autonomia fazem parte deste processo, dentre elas pesquisas, relatórios, exercícios, entrevistas e apresentações. Todo o trabalho desenvolvido procura mostrar que existe uma carreira ideal para cada pessoa, e ela está justamente na interseção entre as habilidades, a personalidade e os interesses do indivíduo.

Essa técnica facilita o jovem acessar importantes informações pessoais e utilizar no processo decisório da escolha da carreira. Perguntas como quem sou eu? como vejo o mundo e sou percebido pelos demais? do que eu gosto? onde quero estar daqui a 10 anos? qual o significado do sucesso? são encorajadas e permitem o reconhecimento dos desejos e potenciais talentos, clareando a decisão por qual caminho trilhar.
Nesse processo, a faculdade a se cursar é o meio e não o fim da jornada de autoconhecimento, que tem como principal objetivo colocar o jovem como protagonista na escolha da sua carreira.

Além da concorrência globalizada, que desafia ainda mais os futuros profissionais, é preciso que as pessoas entendam que a vida é cheia de mudanças e as escolhas presentes podem não atender às expectativas futuras, por isso é necessário estudar e aprender continuamente. Sabe-se, por exemplo, que muitas profissões dos próximos cinco, dez anos nem existem ainda, então, pouco adianta preparar os jovens para ingressar num curso específico, se esta carreira pode nem existir mais no futuro.

Preparamos cada um de nossos “pupilos” para identificar o seu talento; aquilo que gosta e faz bem. Uma vez que eles têm clareza dos seus talentos, eles não vão apenas definir o que cursar na faculdade, mas o seu objetivo de carreira, aonde querem chegar, sendo capazes de visualizar e se identificar com um profissional 20/30 anos a sua frente. Isso os diferencia da grande maioria dos jovens que entram na faculdade sem muito conhecimento do mercado de trabalho, muito menos de onde querem chegar. Desde muito novos, começar a dar os primeiros passos para chegar lá, agindo como empreendedores de suas carreiras, é certamente, o pulo do gato para o sucesso.

*Vivian Huet e Eduardo Martins são ex-alunos da PUC e sócios do projeto Empreenda a sua carreira

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.