Cármen vai arquivar investigação sobre áudio de Joesley que cita ministros do STF

Cármen vai arquivar investigação sobre áudio de Joesley que cita ministros do STF

Presidente do Supremo Tribunal Federal abriu a sessão desta quinta-feira, 21, afirmando que a PF não encontrou indícios de irregularidades envolvendo integrantes da Corte

Amanda Pupo/BRASÍLIA

21 Junho 2018 | 15h51

Cármen Lúcia. Foto: Dida Sampaio/Estadão

BRASÍLIA – A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, abriu a sessão desta quinta-feira, 21, informando que a investigação aberta para apurar menções feitas pelo empresário Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud a integrantes da Suprema Corte não encontrou indício de participação de ministros em “qualquer ato ilícito”.

+ Diálogo de Joesley e Saud: bebidas, mulheres e axé ao fundo

A investigação será arquivada, segundo Cármen, após o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, apresentar o relatório conclusivo do inquérito. “Não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros deste Supremo Tribunal Federal envolvidos ou citados em qualquer ato ilícito”, afirmou a ministra.

+ Citada em áudio de Joesley, advogada deixa caso

Segundo a presidente da Corte, não pode pender sobre o STF “a mais leve dúvida” sobre a conduta dos que compõem o tribunal. “Esta Corte, que tem o compromisso da guarda da Constituição, Constituição que tem como seu princípio a moralidade pública”, disse.

+ Conversa gravada ‘acidentalmente’ de Joesley e Ricardo Saud leva Janot a abrir investigação

Em dezembro do ano passado, o Estado revelou que um relatório preliminar da Polícia Federal descartou a ocorrência de crimes envolvendo as citações a ministros do STF feitas Joesley e Saud, no áudio gravado por eles e entregue ao Ministério Público Federal (MPF).

+ PF indicia Marcello Miller, Joesley Batista e mais 3 por corrupção

Nas mais de quatro horas de conversas gravadas, os interlocutores falam sobre “dissolver o Supremo” da mesma forma que, nas palavras de Joesley Batista, a Odebrecht “moeu” o Legislativo. No áudio, eles citam o nome de três ministros – Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia, mas não havia menção ou atribuição a algum tipo de crime.

+ PF conclui perícia de áudio gravado por Joesley Batista

Em setembro, Cármen exigiu que a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República (PGR) fizessem uma “investigação imediata”. A determinação ocorreu após o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deixou o cargo em 18 de setembro, determinar a abertura de investigação para apurar o caso. À época, Janot citou as suspeitas sobre ministros do STF.

A presidente do Supremo chegou a gravar um pronunciamento em vídeo no qual disse que a “dignidade institucional” do STF e a “honorabilidade de seus integrantes” foram agredidas “de maneira inédita na história do País”.

“Impõe-se, pois, com transparência absoluta, urgência, prioridade e presteza a apuração clara, profunda e definitiva das alegações, em respeito ao direito dos cidadãos brasileiros a um Judiciário honrado”, afirmou Cármen à época. (Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura)