Cármen prega Judiciário que ‘não adote atitudes parciais’

Cármen prega Judiciário que ‘não adote atitudes parciais’

Ministra presidente do Supremo Tribunal Federal defendeu nesta terça-feira, 29, magistratura 'forte, livre e imparcial', caso contrário País não terá democracia

Luiz Vassallo e Julia Affonso

29 Agosto 2017 | 17h35

Cármen Lúcia. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, declarou nesta terça-feira, 29, que ‘sem Poder Judiciário forte, livre e imparcial’, o País não terá democracia’. Ela ressaltou a importância de a toga ‘não adotar atitudes parciais’

As informações foram divulgadas pela Agência CNJ de Notícias.

Para a ministra, os juízes brasileiros ‘exercem uma função difícil, mas necessária a uma verdadeira democracia’.

Ela participou da abertura da 257.ª Sessão Ordinária do CNJ.

Ao comentar a atualização da composição do colegiado, devido à recondução dos conselheiros Daldice Santana e Fernando Mattos e término dos mandatos dos conselheiros Gustavo Alkmim e Carlos Eduardo Dias – os quatro são juízes de carreira –, a ministra destacou ‘o compromisso e a responsabilidade da categoria com a garantia dos direitos e das liberdades da cidadania’.

“Este agradecimento é feito em nome dos quatro conselheiros que tiveram seus mandatos findos ou por findar, como um agradecimento aos juízes brasileiros por tudo que trabalham, se empenham e sofrem”, disse a ministra.

Cármen disse. “Todas as vezes que julgamos, pelo menos uma parte, sendo o direito binário, fica insatisfeita com o juiz, o que faz que nossa função não seja fácil. Ela é apenas necessária. Sem o Poder Judiciário forte, livre e imparcial – no sentido de não ter partes, de não adotar atitudes parciais –, não teremos uma democracia, que é o que o Brasil tem na Constituição Federal e é o que se espera dos juízes brasileiros para a garantia dos direitos e das liberdades dos cidadãos.”

Mais conteúdo sobre:

Cármen Lúcia