Cármen Lúcia

Cármen Lúcia

Com uma trajetória marcante na defesa dos direitos das mulheres e dos direitos humanos, ministra chega nesta segunda-feira, 12, ao topo do Supremo Tribunal Federal

Fausto Macedo e Julia Affonso

12 de setembro de 2016 | 04h00

Cármen Lúcia. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Cármen Lúcia. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

A ministra Cármen Lúcia chega nesta segunda-feira, 12, ao topo do Supremo Tribunal Federal. Às 15 horas, Cármen toma posse na presidência da Corte máxima, cadeira que vai ocupar até 2018. Ela vai presidir também o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Mineira de Montes Claros, formada em Direito pela PUC, no Supremo desde 2006, Cármen tornou-se a primeira mulher a presidir o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2012.

Falas emblemáticas de Cármen foram selecionadas pela Agência Patrícia Galvão – uma iniciativa do Instituto Patrícia Galvão para atuar na produção de notícias sobre os direitos das mulheres brasileiras.

Cármen tem uma trajetória de defesa dos direitos das mulheres e dos direitos humanos, destaca Agência Patrícia Galvão.

Untitled_infographic

Tudo o que sabemos sobre:

STFCármen Lúcia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.