Cármen Lúcia passa para a Primeira Turma do Supremo

Cármen Lúcia passa para a Primeira Turma do Supremo

Redação

03 de agosto de 2021 | 18h50

A ministra do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia. Foto: Gabriela Biló / Estadão

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, deferiu nesta segunda, 2, pedido da ministra Cármen Lúcia para se transferir da Segunda para a Primeira Turma da Corte. A vaga no colegiado composto pela ministra Rosa Weber e os ministros Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes foi aberta em razão da aposentadoria do ministro Marco Aurélio.

O pedido foi acolhido após consulta aos demais ministros da Segunda Turma. O ministro Edson Fachin havia feito pedido semelhante ao de Cármen, mas a ministra é quem mudará de Turma considerando a regra de antiguidade. As informações foram divulgadas pelo STF.

O pedido de Fachin para ir para a Primeira Turma se deu em meio ao julgamento sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na Segunda Turma, o ministro sofreu uma série de reveses em julgamentos da Operação Lava Jato. O colegiado atualmente é presidido pelo ministro Kassio Nunes Marques, primeiro indicado do presidente Jair Bolsonaro.

O próximo ministro do STF – André Mendonça, se aprovado pelo Senado – a ocupar a vaga do ministro aposentado Marco Aurélio passará a integrar a Segunda Turma. Dessa forma, os dois ministros indicados por Bolsonaro podem acabar analisando casos de interesse do presidente, como o recurso do Ministério Público do Rio contra a decisão que garantiu foro privilegiado ao filho 01 do chefe do Executivo, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na investigação das ‘rachadinhas’. Ainda não há data para a discussão no colegiado.

Também nesta segunda, Fux anunciou retomada das sessões presenciais da corte a partir de setembro. Desde abril de 2020, os julgamentos do Plenário e das Turmas do STF são realizados por videoconferência em razão da pandemia da Covid-19.

De acordo com o presidente do STF, considerando que o calendário de vacinação contra a Covid-19 no Distrito Federal começa a imunizar pessoas com mais de 30 anos na terça, 3, todos os ministros e funcionários habilitados a acompanhar as sessões já estarão devidamente vacinados até o fim de agosto. O presidente solicitou aos ministros que funcionários dos gabinetes que ainda não tenham sido vacinados em razão da faixa etária não atuem no Plenário.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.