Cármen diz que Justiça deve atuar ‘sem quebra de hierarquia’

Cármen diz que Justiça deve atuar ‘sem quebra de hierarquia’

Em nota, ministra presidente do Supremo afirma que 'a Justiça é impessoal'

Amanda Pupo/BRASÍLIA

08 Julho 2018 | 18h04

Cármen Lúcia. Foto: EFE/Andre Coelho

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou em nota neste domingo, 8, que a Justiça deve ser rápida e sem quebra de hierarquia. “A Justiça é impessoal, sendo garantida a todos os brasileiros a segurança jurídica, direito de todos”, disse a ministra, que se manifesta num dia marcado pela confusão jurídica no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que enfrenta decisões conflitantes entre desembargadores sobre a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“O poder judiciário tem ritos e recursos próprios, que devem ser respeitados”, assinalou a presidente.

Em abril, no colegiado do STF, Cármen votou para negar o habeas corpus do petista, somando a maioria que se pronunciou pela execução de pena de Lula após condenação em segunda instância a 12 anos e um mês de reclusão no processo do triplex do Guarujá. O ex-presidente foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

LEIA A NOTA DA PRESIDENTE DO SUPREMO

“A Justiça é impessoal, sendo garantida a todos os brasileiros a segurança jurídica, direito de todos. O poder judiciário tem ritos e recursos próprios, que devem ser respeitados. A democracia brasileira é segura e os órgãos judiciários competentes de cada região devem atuar para garantir que a resposta judicial seja oferecida com rapidez e sem quebra da hierarquia, mas com rigor absoluto no cumprimento das normas vigentes.”