Cármen Lúcia demonstrou compromisso com a celeridade processual, dizem juízes sobre homologação

Cármen Lúcia demonstrou compromisso com a celeridade processual, dizem juízes sobre homologação

Associação dos Juízes Federais do Brasil elogia decisão de presidente do STF

Rafael Moraes Moura e Breno Pires, de Brasília

30 de janeiro de 2017 | 12h01

Cármen Lúcia. Foto: TV Cultura/Divulgação

Cármen Lúcia. Foto: TV Cultura/Divulgação

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) afirmou, em nota enviada à imprensa na manhã desta segunda-feira, 30, que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, demonstrou “o seu compromisso com a celeridade processual” ao homologar a delação de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht.

“A delação homologada permitirá a identificação dos envolvidos na prática das infrações penais e na recuperação dos recursos desviados pela corrupção”, diz a nota da Ajufe, assinada pelo presidente da associação, Roberto Veloso.

A decisão da ministra – de homologar ela mesma a delação da Odebrecht – também foi elogiada pelo presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia.

“A homologação é um ato de justiça não apenas à memória do ministro Teori Zavascki, mas de garantia à sociedade de que o julgamento da Lava Jato não será interrompido ou mesmo atrasado, beneficiando corruptos e corruptores”, disse Lamachia.

Tudo o que sabemos sobre:

AjufeOdebrechtCármen Lúcia

Tendências: