Cármen dá mais 30 dias para PF investigar Aécio sobre R$ 50 mi da Odebrecht

Cármen dá mais 30 dias para PF investigar Aécio sobre R$ 50 mi da Odebrecht

Presidente do Supremo acolheu parcialmente requerimentos da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República - que pediram 60 dias - e ampliou prazo para diligências em inquérito embasado nas delações de ex-executivos da empreiteira

Luiz Vassallo

14 de julho de 2018 | 16h33

Aécio Neves. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, prorrogou por 30 dias inquérito que investiga o senador Aécio Neves (PSDB) por supostas propinas de R$ 50 milhões da Odebrecht e da Andrade Gutierrez. A decisão acolhe parcialmente pedido da Procuradoria-Geral da República e da Polícia Federal, que haviam pedido mais 60 dias para diligências.

Documento

Documento

Neste inquérito, delatores da Odebrecht afirmam que o tucano teria defendido os interesses da empreiteira nas usinas hidrelétricas do Rio Madeira, Jirau e Santo Antônio.

O ex-executivo da empreiteira Henrique Valladares afirmou que o “cronograma de pagamento” feito a “Mineirinho”, codinome atribuído a Aécio, foi em parcelas que variavam de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões.

Os delatores dizem que repasses eram acertados com o ex-diretor de Furnas Dimas Toledo, aliado do tucano. A maioria dos depósitos teria sido feita em uma conta em Cingapura controlada por Alexandre Accioly, empresário amigo de Aécio, que é dono da rede de academias Bodytech.

O objetivo dos pagamentos seria conseguir apoio de Aécio no relacionamento com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), controlada pelo governo de Minas. A estatal e a Odebrecht integraram o consórcio que venceu a licitação para as obras de Santo Antônio.

Marcelo Odebrecht afirmou, em delação, que os “vultosos repasses financeiros” foram feitos ao senador e seus aliados porque Aécio “sempre teve forte influência na área de energia”.

Em seu pedido, a procuradora-geral, Raquel Dodge, chama atenção para a ainda pendente realização de perícia sobre o sistema de comunicação Drousys e sistema de contabilidade paralela My web day, de contabilidade paralela do grupo Odebrecht, e a produção de informações policiais a respeitos dos dados encontrados nos sistemas.

Ainda estava pendente oitiva com Enio Augusto Pereira e Silva, que aderiu recentemente à leniência da empreiteira.

COM A PALAVRA, AÉCIO

Nota da defesa do senador Aécio Neves

Trata-se de ato rotineiro que já era aguardado. A obra em questão foi realizada em Rondônia pelo governo federal, sem qualquer participação do Governo de Minas. A defesa confia que a conclusão da investigação demonstrará que não houve nenhum ato irregular praticado pelo Senador Aécio.

Alberto Zacharias Toron
Advogado

COM A PALAVRA, ANDRADE GUTIERREZ

“A Andrade Gutierrez informa que apoia toda iniciativa de combate à corrupção, e que visa a esclarecer fatos ocorridos no passado. A companhia assumiu esse compromisso público ao pedir desculpas em um manifesto veiculado nos principais jornais do país e segue colaborando com as investigações em curso dentro do acordo de leniência firmado com o Ministério Público Federal. A empresa incorporou diferentes iniciativas nas suas operações para garantir a lisura e a transparência de suas relações comerciais, seja com clientes ou fornecedores, e afirma que tudo aquilo que não seguir rígidos padrões éticos será imediatamente rechaçado pela companhia”.

COM A PALAVRA, ALEXANDRE ACCIOLY

“O empresário Alexandre Accioly reitera, uma vez mais, que não é nem nunca foi titular ou beneficiário de qualquer conta ou estrutura financeira em Cingapura e que jamais recebeu depósitos em favor de terceiros, seja em Cingapura ou em qualquer localidade do mundo.”

Tendências: