Cármen adia julgamento de habeas de Maluf

Cármen adia julgamento de habeas de Maluf

Presidente do Supremo transfere para a próxima quarta-feira, 11, análise de pedido do deputado afastado que está em regime de 'prisão domiciliar humanitária'

Amanda Pupo, Rafael Moraes Moura e Teo Cury/BRASÍLIA

12 de abril de 2018 | 18h10

Paulo Maluf. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

BRASÍLIA – A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, decidiu adiar o julgamento do habeas corpus do deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), que seria analisado, junto de recursos de sua ação penal, na sessão plenária desta quinta-feira, 12. A decisão foi tomada porque não haveria tempo de concluir a análise ainda hoje. O caso será julgado na próxima quarta-feira, 18, previsto como primeiro item da pauta.

+ Câmara impõe a Maluf multa de R$ 10 mil por atraso na entrega de apartamento

Durante o intervalo regimental de 30 minutos, Cármen conversou com os colegas sobre o assunto. Dessa forma, ao reabrir a sessão, a ministra colocou em julgamento outros processos menos controversos, cuja análise é mais rápida, desafogando as ações analisadas pelo plenário.

+ Raquel pede Maluf de volta à cadeia

A expectativa, como apresentando na pauta do dia, era de que, após a análise do pedido de liberdade de Antonio Palocci, os ministros julgassem as ações relacionadas a Maluf. Na primeira parte da sessão, a Corte, por maioria, negou o pedido de liberdade a Palocci, ex-ministro da Fazenda dos governos Lula e Dilma.

+ Maluf tem ‘confusão mental’ e ‘alterações da marcha’, diz relatório médico

Maluf, que estava preso desde dezembro, espera o referendo do colegiado sobre a decisão do ministro Dias Toffoli que autorizou sua transferência do Complexo Penitenciário da Papuda para prisão domiciliar. A decisão é do dia 28 de março.

O habeas corpus e ação penal de Maluf, de 86 anos, deve levantar duas discussões no plenário. A jurisprudência da Corte não autoriza que pessoas entrem com habeas corpus contra decisão de ministros do próprio STF. Foi por determinação imediata do ministro Edson Fachin, que, em dezembro, o deputado começou a cumprir a pena da ação que o condenou a regime fechado de sete anos, nove meses e dez dias por crime de lavagem de dinheiro.

Em sua decisão do mês passado, Dias Toffoli destacou que o deputado “passa por graves problemas relacionados à sua saúde no cárcere, em face de inúmeras e graves patologias que o afligem”. O ministro divergiu do colega, relator da ação penal que condenou Maluf, e que já havia negado embargos infringentes apresentados pela defesa do parlamentar.

Segundo os advogados de Maluf, Fachin não poderia negar sozinho os embargos e executar o início da execução de pena sem abrir espaço para manifestação do Ministério Público e da defesa. Desse modo, outro debate que pode ser levantamento é o do cabimento dos embargos infringentes no processo, já que a ação penal do Maluf também está prevista na pauta.

Se a Corte entender que cabe pedido de habeas corpus contra decisão de ministro, abrirá espaço para questionamentos a atos de Fachin, relator da Lava Jato no STF. Em 2016, o plenário do Supremo discutiu a questão e decidiu – por seis votos a cinco – que não era possível apresentar habeas corpus no STF contra decisão individual de integrante da Corte.

O ministro que deve decidir o caso é Alexandre de Moraes. O ministro tem seguido o entendimento de que não cabe HC contra monocrática. Ele tomou posse no STF depois da votação de 2016, que teve placar apertado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.