Campanha sem dinheiro de empreiteiras é ‘grande vitória’, diz Lamachia

Campanha sem dinheiro de empreiteiras é ‘grande vitória’, diz Lamachia

Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil avalia que o primeiro turno das eleições mostra que 'foi acertada' mudança na regra que só permite doação de pessoas físicas

Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

03 de outubro de 2016 | 13h22

Cláudio Lamachia. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Cláudio Lamachia. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, disse nesta segunda-feira, 3, que as campanhas dos políticos sem dinheiro de empresas representa ‘uma grande vitória’ para o País.

Na avaliação de Lamachia, o primeiro turno das eleições municipais, ocorrido neste domingo, 2, mostra que o veto às doações de pessoas jurídicas foi medida acertada.

A farta distribuição de valores milionários por empreiteiras para políticos e partidos era marcante em todos os pleitos no País.

Em 2016, pela primeira vez, os candidatos em busca do poder municipal só puderam contar com repasses de pessoas físicas.

A restrição foi imposta a partir de uma iniciativa da Ordem, que foi à Justiça contra a chuva de dinheiro de grandes construtoras e de outros segmentos empresariais no caixa dos políticos.
Lamachia disse que, agora, a meta da OAB é lutar por uma lei que tipifique o crime de caixa 2.

A MANIFESTAÇÃO DE CLAUDIO LAMACHIA:
“O primeiro turno da eleição deste ano mostra que foi acertada a mudança na regra eleitoral que passou a proibir doações de empresas a partidos e candidatos.

A redução substancial do preço das campanhas é uma grande vitória para a sociedade brasileira. Sem a pirotecnia do marketing, os candidatos precisaram realçar suas ideias e propostas durante o período de propaganda eleitoral.

Agora, é preciso continuar buscando melhorias para o sistema eleitoral.

A OAB foi à Justiça para que as doações de empresas fossem proibidas e comemorou quando teve ganho de causa no Supremo Tribunal Federal. Agora, a OAB luta pela aprovação de uma lei que tipifique o crime de caixa dois de campanha. É preciso cobrar do Congresso celeridade na aprovação de uma lei tão importante.”

Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB

Mais conteúdo sobre:

OABeleiçõesClaudio Lamachia