Câmara de Cuiabá rejeita afastamento de prefeito Emanuel Pinheiro, denunciado por propina no Paletó

Câmara de Cuiabá rejeita afastamento de prefeito Emanuel Pinheiro, denunciado por propina no Paletó

Por 15 votos a 8, os vereadores rejeitaram parecer da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, que pedia o afastamento de Pinheiro por 180 dias e instauração de comissão processual de cassação do mandato do prefeito por obstrução de justiça e recebimento ilícito de valores

Pedro Caramuru

29 de setembro de 2020 | 15h31

O atual prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, também foi delatado pelo ex-governador Silval Barbosa. Foto: Reprodução / TV Globo / MPF

A Câmara Municipal de Cuiabá (MT) arquivou nesta terça-feira, 29, o processo de afastamento e cassação do mandato do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). Por 15 votos a 8, os vereadores rejeitaram parecer da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, que pedia o afastamento de Pinheiro por 180 dias e instauração de comissão processual de cassação do mandato do prefeito por obstrução de justiça e recebimento ilícito de valores.

Esta é a segunda vez que a Câmara da capital mato-grossense vota o mesmo parecer da CPI. Em julho, a Casa havia decidido também pelo arquivamento da denúncia contra o prefeito, porém decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) anulou a sessão por falta de atendimento aos ritos regimentais e remarcou a reunião.

Candidato à reeleição, Pinheiro lidera as intenções de voto na eleição deste ano em Cuiabá. Segundo pesquisa do instituto Analisando, o prefeito tem 38,1% contra 14% do segundo colocado, o ex-prefeito Roberto França (Patriota). A pesquisa foi realizada entre 22 e 24 de setembro com 1.199 eleitores, a margem de erro é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos, o índice de confiança é de 95% e o levantamento foi registrada no TRE sob número MT-06212/2020.

Denúncia de corrupção

Apesar da decisão de hoje da Câmara, Emanuel Pinheiro é réu na Justiça Federal. Há duas semanas foi acatada denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal sobre o “caso do paletó”. Em 2017, o ex-governador do Mato Grosso, Silval Barbosa, entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma gravação em que Pinheiro, à época deputado estadual, guardava no paletó maços de dinheiro recebidos no gabinete do ex-chefe de gabinete do ex-governador, Sílvio Corrêa Júnior.

No vídeo, o prefeito chegou a derrubar um dos maços e se abaixou para pegá-lo do chão. À época, ele negou o recebimento ilícito e informou que iria provar na Justiça.

Durante a sessão desta terça-feira, o vereador Abílio Júnior (Podemos) usou a imagem de Pinheiro colocando maços de dinheiro no paletó como plano de fundo de sua transmissão durante a votação. A sessão teve ainda bate-boca entre os vereadores e o presidente da Casa Misael Galvão (PTB)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.