Cabral ataca Pezão, que ataca Cabral; assista

Cabral ataca Pezão, que ataca Cabral; assista

Na mesma tarde desta segunda, 3, ex-governador do Rio Sérgio Cabral e seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, antigos aliados e amigos muito próximos, foram interrogados pelo juiz federal Marcelo Bretas, e trocaram acusações

Caio Sartori/RIO

03 de fevereiro de 2020 | 19h56

Cabral e Pezão. Foto: MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO CONTEÚDO

Na mesma tarde desta segunda, 3, os ex-governadores do Rio Sérgio Cabral (MDB) e Luiz Fernando Pezão (MDB) foram interrogados pelo juiz federal, Marcelo Bretas, no âmbito da Operação Lava Jato. Cabral confessou propinas e afirmou que seu sucessor não só também as recebia, como ajudou a estruturar esquemas de corrupção no Estado. Já Pezão acusa seu antecessor de mentir e desabafou sobre o dia em que foi preso na Operação Boca de Lobo.

“Os fornecedores falavam em 10%, 15% (nos governos anteriores). Eram pagos pelas fornecedoras aos governos anteriores. Eu estabeleci junto com o Pezão um percentual de 5%: eram 3% para o meu núcleo, 1% para o dele, que era a Secretaria de Obras, e 1% para o Tribunal de Contas para a aprovação das licitações”, disse Cabral.

“Acho que é uma delação combinada entre os quatro para ganhar benefício, e eu sou o único que restou aqui. Nao sei qual é a mágoa, a tristeza, a frustração que eles têm”, rebateu Pezão, que também foi interrogado.

Assista aos interrogatórios: 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.