Busca e apreensão de documentos na Odebrecht levou 16 horas

Busca e apreensão de documentos na Odebrecht levou 16 horas

Os policiais chegaram no prédio às 6 horas da manhã e deixaram a empresa às 22 horas carregados de documentos que foram levados a Curitiba (PR) para análise dos peritos

Redação

22 de junho de 2015 | 17h48

Sede da empreiteira foi alvo de buscas. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press

Sede da empreiteira foi alvo de buscas. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press

Por Andreza Matais, de Brasília, Julia Affonso e Fausto Macedo

A busca e apreensão no endereço da Odebrecht em São Paulo na sexta-feira, 19, durou 16 horas. A empresa foi alvo da 14ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Erga Omnes, com mandados de busca e apreensão e prisão de sete atuais e ex-executivos do empreiteira, entre eles o presidente Marcelo Odebrecht. Os policiais chegaram no prédio às 6 horas da manhã e deixaram a empresa às 22 horas carregados de documentos que foram levados a Curitiba (PR) para análise dos peritos.

ESPECIAL: Entenda o esquema investigado pela Lava Jato

Os investigadores não têm dúvidas de que a empreiteira participava do cartel que ganhava todas as obras na Petrobrás mediante pagamento de propina a diretores, funcionários e partidos políticos. Conforme as investigações, a Odebrecht utilizava um mecanismo mais sofisticado para pagamento da comissão em contas no exterior. O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, um dos delatores do esquema, disse em depoimento que recebeu dinheiro de corrupção da Odebrecht em contas na Suíça.

Em nota, a PF informou nesta segunda-feira que já tem “presente todos os fundamentos para as medidas cautelares” contra os presos na 14ª fase da Lava Jato. Mas que antes dos indiciamentos, “é preciso analisar todo o material e definir a responsabilidade criminal de cada um. Antes disso, não é possível afirmar em quais crimes cada um dos investigados será ou não indiciado.”

Na sexta-feira, quando a operação foi deflagrada, a Odebrecht confirmou em nota que a PF esteve em seus escritórios.

VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA DA ODEBRECHT, DE SEXTA-FEIRA, 19

“A Construtora Norberto Odebrecht (CNO) confirma a operação da Polícia Federal em seu escritório em São Paulo e no Rio de Janeiro, para o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Da mesma forma, alguns mandados de prisão e condução coercitiva foram emitidos.

Como é de conhecimento público, a CNO entende que estes mandados são desnecessários, uma vez que a empresa e seus executivos, desde o início da operação Lava Jato, sempre estiveram à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.

Construtora Norberto Odebrecht”

Tudo o que sabemos sobre:

Odebrechtoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: