Bumlai está ‘sereno e tranquilo’, afirma defesa

Advogadas encontraram pecuarista na Custódia da PF em Curitiba, mas estratégia não foi definida porque não houve entrevista 'pessoal e reservada' com amigo de Lula

Redação

24 Novembro 2015 | 19h08

Julia Affonso, Valmar Hupsell Filho, Ricardo Brandt  e Fausto Macedo

 

O pecuarista José Carlos Bumlai, preso na manhã desta terça-feira, 24,  está ‘sereno e tranquilo’. A informação é da defesa do amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em nota, o escritório Malheiros Filho Meggiolaro Prado destacou que ainda não decidiu a estratégia que será empregada porque não houve tempo para uma entrevista pessoal com Bumlai ante ‘várias providências burocráticas’ que tiveram de ser cumpridas;

Bumlai foi preso por volta de 7h30 da manhã, em um hotel em Brasília, e transferido para a Custódia da Polícia Federal em Curitiba, base da missão Lava Jato. À tarde ele teve de ser submetido ao exame de corpo de delito.

Bumlai foi preso nesta terça-feira, 24. Foto: André Dusek/Estadão

Bumlai foi preso nesta terça-feira, 24. Foto: André Dusek/Estadão

 

O criminalista Arnaldo Malheiros Filho, que coordena a defesa do amigo de Lula, informou que as advogadas do escritório Daniella Meggiolaro e Lyziê Perfi estiveram com Bumlai na sede da PF. Elas o encontraram ‘sereno e tranquilo’, atesta a nota divulgada pela defesa.

As advogadas pretendiam manter uma ‘entrevista pessoal e reservada’ com o pecuarista para definir o encaminhamento da defesa, mas isso não foi possível.

LEIA A INTEGRA DA NOTA DA DEFESA DE JOSÉ CARLOS BUMLAI

A equipe que patrocina a defesa de José Carlos Bumlai, através das Dras. Daniella Maggilaro e Lyziê Perfi, esteve com ele hoje na Polícia Federal de Curitiba, onde o encontrou sereno e tranquilo.

Por se tratar do dia de sua entrada na custódia, várias providências burocráticas tiveram que ser cumpridas, inclusive a realização de exame de corpo de delito, de forma que não foi possível uma entrevista pessoal e reservada para a discussão sobre o encaminhamento da defesa.

Por isso não há ainda uma posição sobre as medidas que serão tomadas em seu nome, nada sendo possível adiantar por ora.

 

Mais conteúdo sobre:

Operação Passe Livre