Bretas se diz sob ameaça e admite deixar o Rio

Bretas se diz sob ameaça e admite deixar o Rio

'É triste, mas a liberdade de um juiz, de um agente público que está nessa situação é muito reduzida, para não dizer eliminada', afirmou em entrevista à TV Globo

Roberta Pennafort, do Rio

27 Dezembro 2017 | 22h02

Juiz Marcelo Bretas. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão

O juiz da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, responsável pelos julgamentos da Lava Jato no Estado, visitou o Papa Francisco nesta quarta-feira, 27, no Vaticano, e, em entrevista à TV Globo, disse que os riscos de seu trabalho podem levá-lo a deixar o Rio.

+ Juízes defendem Bretas e repudiam ‘ameaça’ de Sérgio Cabral

Ele já recebeu ameaças de morte, investigadas pela Polícia Federal. “É triste, mas a liberdade de um juiz, de um agente público que está nessa situação é muito reduzida, para não dizer eliminada”, afirmou.

+ ‘Nunca quis ser igual ao Moro, não sou’, diz Bretas

+ Marcelo Bretas, juiz da Lava Jato no Rio, pede escolta e carro blindado

O juiz, que agradeceu ao papa por posicionamentos anticorrupção, acredita que a Lava Jato “sempre esteve e sempre estará” sob a ameaça de políticos. “Não podemos ser ingênuos, acreditando que no meio de uma investigação que envolve algumas pessoas que têm autoridade, alguns agentes políticos, não vai haver algum tipo de resistência.”

Mais conteúdo sobre:

Marcelo BretasLava Jato no Rio