Brasil e Bélgica reforçam cooperação e miram as grandes organizações do tráfico

Brasil e Bélgica reforçam cooperação e miram as grandes organizações do tráfico

Diretor-geral da PF, delegado Maurício Valeixo, esteve no país europeu que está entre os principais destinatários de carregamentos de cocaína enviados por facções brasileiras a partir do porto de Santos, principalmente

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

03 de outubro de 2019 | 10h25

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Maurício Valeixo, visitou a PF da Bélgica e firmou mais um acordo de cooperação entre os países contra as grandes organizações que promovem o tráfico de drogas a nível internacional. Atualmente, o porto de Antuérpia, no país europeu, é um dos destinos mais contemplados pelas facções brasileiras que enviam carregamentos de drogas em contêineres, a partir do porto de Santos, no litoral de São Paulo.

O diretor-geral da PF brasileira, Maurício Valeixo (4º da esquerda para a direita), o diretor da Polícia Federal da Bélgica (centro), o coordenador-geral de Repressão a Drogas e Organizações Criminosas Elvis Secco e demais diretores da PF da Bélgica. Foto: PF/ Divulgação

O termo prevê que a atuação nos portos seja reforçada, com a possível criação de um posto de oficial de ligação. Somente neste ano, informou a PF, já foram confiscadas incríveis 8,4 toneladas de drogas na Bélgica, no porto de Antuérpia, resultado da cooperação entre os países.

“Bélgica está entre os países que mais cooperação tem com o Brasil. Casos importantes que não envolvem somente apreensão de drogas, mas principalmente identificação e prisão de organizações criminosas internacionais e descapitalização patrimonial através de investigação de lavagem de dinheiro entre os dois países”, afirmou o delegado federal Elvis Seco, coordenador-geral de Repressão a Drogas e Organizações Criminosas, que acompanhou Valeixo.

Dados do sistema de inquéritos da Polícia Federal mostram que a corporação bateu recorde histórico de apreensão de cocaína em 2018.

Porto de Santos. Foto: José Patrício/Estadão

Com 78,5 toneladas apreendidas, a PF quase duplicou sua própria marca, de 2017, quando foram arrestadas cerca de 48 toneladas da droga durante ações da corporação.

Somente em setembro passado, a PF e a Receita divulgaram três apreensões de drogas com destino à Bélgica. Foram 70,8 kg da droga apreendidos no porto de Natal, em um carregamento de sal.

Já no porto de Santos, a Receita Federal fez duas grandes apreensões, uma de 423 kg que estavam em bolsas esportivas e, outra, de 1,4 tonelada do entorpecente encontrada em uma carga de açúcar cristal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.