Brancura para além do jaleco

Brancura para além do jaleco

Adriana Alves*

13 de julho de 2020 | 09h00

“I can’t breathe.” A essa altura, provavelmente todos os brasileiros sabem o que essa frase significa (Não consigo respirar). Poucos, no entanto, são os que de fato reconhecem o simbolismo das últimas palavras proferidas por George Floyd e os motivos que levaram o mundo a adotá-la como bordão em manifestações antirracismo. Mais escassos ainda são aqueles que se dão conta de que o problema do racismo perpassa a ciência que produzimos e, por consequência, os avanços científicos que logramos.

A ciência que praticamos é racista. A epistemologia científica mundialmente aceita foi construída a partir da invisibilização das diferentes epistemologias praticadas por povos indígenas, africanos e asiáticos. A medicina oriental, bem como o conhecimento indígena acerca de ervas foram depreciados; no caso dos negros, foram desconsiderados os filósofos que primeiro trouxeram a questão racial como componente fundamental na estruturação da sociedade.

O efeito mais evidente desse racismo talvez se dê nas ciências biológicas. Foi com um atraso de quase meio século que se desenvolveram pesquisas dedicadas a doenças que afetam grupos étnicos sub-representados e as camadas mais pobres da sociedade (majoritariamente negra), como a anemia falciforme ou a doença de Chagas, entre outras muitas.

Os diferentes campos das ciências exatas também sofrem. Grupos sub-representados trazem novas abordagens e roupagens a velhos e recentes problemas científicos. O exemplo mais contundente vem dos programadores de inteligência artificial, que penam para erradicar a reprodução de estereótipos racistas dos julgamentos de valor de seus softwares.

Adriana Alves. Foto: Acervo pessoal

Mas não é apenas isso. Num contingente de pesquisadores cuja esmagadora maioria é de homens brancos, questões sobre a diversidade em geral passam ao largo. Não raro, laureados com honrarias científicas são todos brancos, bem como brancos são aqueles que recebem os maiores montantes para realização de suas pesquisas. E assim se materializa a profecia anunciada de uma elite científica quase toda branca, predominantemente masculina.

O mundo científico parece ter acordado para o problema. São inúmeros os manifestos de diferentes associações científicas, e cito um que me tocou particularmente, por ser da minha área de atuação. O presidente e demais membros da American Geophysical Union (União Americana de Geofísica) firmaram um compromisso para erradicar o viés racista da seleção de seus prêmios de excelência científica. A beleza da mensagem é que ela abrange dois problemas correlatos: de um lado, reconhece o peso do racismo em escolhas supostamente pautadas apenas na excelência acadêmica (note-se que a excelência é branca!); de outro, alerta para o número exíguo de cientistas negros formados pelo ensino superior, também estruturado pelo racismo.

Não houve uma manifestação sequer entre as associações científicas brasileiras (dentre as quais incluo sociedades, academias e agências de fomento federais e estaduais). O silêncio foi, e é, ensurdecedor.

Num país em que mais de 90% dos professores universitários são brancos – ainda que a população negra represente mais da metade de seus habitantes –, seria de se esperar o reconhecimento do papel do racismo na constituição étnico-racial de nosso corpo científico. Se considerarmos que não existe racismo no meio científico, nos resta a aceitação das teses de superioridade intelectual branca e o resgate de conceitos raciais que em teoria foram abandonados no início do século XX.

Nós, cientistas negros brasileiros, temos dificuldade em respirar o ar que emana desse ciclo vicioso que falha em reconhecer excelência entre os poucos negros que superaram a exclusividade das ciências, ao mesmo tempo que desfavorece a formação de novos intelectuais negros.

A única coisa que me vêm à mente ao constatar a naturalização desses números é a hipocrisia com que a questão é tratada. Enquanto aplaudimos iniciativas americanas e europeias, fingimos não ver que a ciência brasileira talvez seja o exemplo mais gritante de privilégio branco do globo.

*Adriana Alves é geóloga e professora da USP. Esta coluna foi produzida especialmente para a campanha #CientistaTrabalhando, que celebra o Dia Nacional da Ciência. Ao longo do mês de julho, colunistas cedem seus espaços para abordar temas relacionados ao processo científico, em textos escritos por convidados ou por eles próprios.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: